A Queda de Lúcifer, o portador da luz

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

Nós já vimos que algo catastrófico aconteceu entre os dois primeiros versículos de Gênesis. Satanás caiu.

Quando Deus fez a terra, como a conhecemos agora, Ele a removeu da esfera em que estava e a colocou no tempo e no espaço. Deus disse, “Que haja luz” antes Dele criar o sol, a lua e as estrelas. Porque Ele é luz, e esta luz é a luz criativa. Há duas velocidades da luz: a que opera no reino dos céus, e a que opera aqui, que é mais devagar (como alguns cientistas sugerem), antes, porém, as duas tinham a mesma velocidade. Por causa da queda de Adão, a velocidade da luz começou a diminuir, e o tempo costumava ser mais rápido (se você entende o que quero dizer). Por esta razão a terra parece ter 10.000 anos de acordo com o cálculo bíblico, mas de acordo com a ciência 14 bilhões de anos. O tempo era diferente, ele foi esticado, e os céus também.

Esses zombadores esquecem, de propósito, que há muito tempo Deus deu uma ordem, e os céus e a terra foram criados. Esquecem que a terra foi formada da água e no meio da água e também que pela água do dilúvio o mundo antigo foi destruído. (2 Pedro 3:5-6).

Aqui não está se referindo ao dilúvio de Noé. Está falando sobre a primeira destruição da terra, e a queda de Satanás. A terra estava coberta de água, foi o primeiro dilúvio. Por isso o Espírito de Deus estava pairando sobre a superfície das águas em Gênesis 1:2.

O querubim ungido para cobrir

Precisamos ver o que aconteceu quando Satanás caiu. Originalmente, ele era um dos querubins que cobria o trono, um dos que clamavam ‘Santo, santo, santo’. Cada vez que ele clamava ‘santo’, ele estava exclamando isso com admiração, porque havia recebido de Deus mais uma revelação acerca de Seus propósitos.

Em algum momento, Deus revelou Seu plano de usar o Homem, uma pessoa com DNA, para carregar o DNA de Deus na terra. E Deus revelou que seriam seus filhos de DNA que iriam herdar a terra e os céus (ao invés dos seus filhos de glória, os anjos).

Desta vez, ao invés de clamar ‘santo’, de repente, outra coisa começou a brotar no coração de Satanás. Ele se rebelou, e no seu coração estava dizendo, ‘Eu que subir ao lugar onde eu vou ser daquele jeito!’

Satanás tinha uma forma reptiliana, e estava coberto com pedras. Ele era chamado Lúcifer, o portador da luz, e era o líder da adoração no céu. Sendo assim, as pedras que ele tinha deveriam refletir a glória de Deus, e ele seria, supostamente, o responsável em treinar o homem para entrar na plenitude de Deus.

Em Ezequiel 28 podemos ler sobre a queda de Satanás.

Filho do homem, levanta uma lamentação contra o rei de Tiro e dize-lhe: Assim diz o SENHOR Deus: Tu és o sinete da perfeição, cheio de sabedoria e formosura. Estavas no Éden, jardim de Deus; de todas as pedras preciosas te cobrias: o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda; de ouro se te fizeram os engastes e os ornamentos; no dia em que foste criado, foram eles preparados. (Ez 28:12-13).

O jardim de Deus (Éden) estava conectado a terra. O livro de Gênesis fala que Deus tinha um jardim no Éden, e que Ele plantou um jardim ao leste do Éden. Sendo assim, havia dois jardins, e naquela época terra e céus eram sobrepostos. O jardim de Deus era onde Ele andava, e Adão tinha acesso a ele. Ali estava a Árvore da Vida.

Em seguida lemos sobre todas as pedras que cobriam o corpo de Satanás. Você irá perceber que ele tinha nove pedras, mas o Homem tem 12: no peitoral do Sumo Sacerdote havia 12 pedras, havia 12 tribos, a Nova Jerusalém tem 12 fundamentos, e há 12 frutos na Árvore da Vida. O número 12 fala de governo, e o homem estava destinado a exercer um governo divino.

[Numerologia bíblica é muito interessante: os números três, sete, dez, doze e quarenta estão em toda parte, mas não podemos entrar em detalhe aqui.]

Então continua,

Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniquidade em ti. Na multiplicação do teu comércio, se encheu o teu interior de violência, e pecaste; pelo que te lançarei, profanado, fora do monte de Deus e te farei perecer, ó querubim da guarda, em meio ao brilho das pedras. (Ez 28:14-16).

O Céu está num monte, ‘o monte santo de Deus’ (v14). Toda estrutura do céu está em um monte, onde há um platô no topo. No monte há um trono e desse trono correm rios de fogo – imagine como lava saindo de um vulcão. Há pedras que operam naquele fogo, as quais são as pedras da revelação. Eu já estive naquele monte e andei sobre aquelas pedras, em outra ocasião eu poderei explicar o que elas são. Elas representam o que Satanás deveria ter feito para levar o Homem a plenitude de Deus.

Mas então iniquidade foi achada nele. A revelação que Deus havia dado a ele, e seu papel como um querubim que cobria o trono, fez com que a iniquidade dele fosse exposta.  As escrituras falam do comércio de Satanás e de como o interior dele se encheu de violência.

Terei que falar mais sobre esse comércio e os pisos de negociação em outro post, porque tem haver com fazer aliança e com troca. Por enquanto, vamos entender como isso funcionava: Satanás tinha informação, revelação do que Deus iria fazer, e negociou isso com os outros anjos. O Homem iria herdar os céus, ao invés dos anjos, porque os anjos eram espíritos ministradores, enviados para serviço a favor dos que hão de herdar a salvação (Hb 1:14). Todos os anjos foram criados para nós, e naquele momento isso se tornou claro. Quando Satanás descobriu essa revelação, ele foi até outros anjos negociar a informação, e um terço deles decidiram que queriam saber sobre isso e iriam agir a respeito, sendo assim eles iriam buscar governar os céus no lugar do Homem.

Como um relâmpago do céu

Jesus disse que Satanás caiu, como um relâmpago dos céus. Como resultado de sua queda, Satanás não tem mais acesso ao Céu (mas não perdeu acesso a todos os reinos dos céus). Ele não tem mais acesso ao Rio da Vida ou as pedras de fogo, ou a qualquer outro lugar desse reino celestial.

E quando ele caiu, ‘Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos’ (Ap 12:7-9).

Aqui Satanás é chamado de dragão (eu escrevi sobre dragões e gigantes algumas semanas atrás em um post anterior). Aqui está a origem da palavra ‘dragão’: é uma descrição de Satanás.  Um terço dos anjos – um número bem grande – aceitaram a oferta de Satanás, e caíram junto com ele.

Como disse, isso aconteceu na criação original. A atividade de Satanás na terra trouxe sobre ela o julgamento de Deus, que resultou no primeiro dilúvio, como consequência o planeta ficou “sem forma e vazio”, coberto com águas, e o Espírito de Deus movia, pairava sobre a face das águas (Gen 1:2). Na segunda criação, a rebelião de Adão deu a Satanás acesso ao céu novamente e abriu algumas das dimensões do céu para ele.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Anúncios

Autor: Freedom ARC

Freedom Apostolic Resource Centre, Barnstaple, UK.

5 comentários em “A Queda de Lúcifer, o portador da luz”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s