134. Portas do Espírito

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

Sem comunhão, não há revelação

Ian Clayton's gateways diagram, Portuguese.
Esse diagrama é baseado no de Ian Clayton (sonofthunder.org)

“Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva.” (João 7:38)

Deus habita no nosso interior. Agora queremos permitir que Ele flua em nós e através de nos, para transformar a nós e ao mundo ao nosso redor. Quando abrimos a porta do primeiro amor, começamos a deixar que Ele inunde todo nosso ser.

E é ai que encontramos o primeiro bloqueio. Quando olhamos para a nossa porta do primeiro amor, alguns de nós a temos visto bloqueada, fechada, trancada, e até mesmo acorrentada. Mas isso é uma projeção da nossa alma. Mesmo que a nossa experiência de primeiro amor tenha nos feito erguer barreiras para a intimidade (antes eu escrevi sobre minha experiência a esse respeito), nós temos a capacidade para derruba-las. Podemos limpá-las, destrancá-las, tirar as correntes, e abri-las. O inimigo não tem acesso ao nosso espírito. Jesus está batendo. Vamos deixá-Lo entrar nas nossas vidas.

Quando abrimos a porta do primeiro amor, o rio flui para o nosso espírito. Nós nos rendemos a presença de Deus em nosso interior. No nosso espírito há diferentes sentidos, ou ações: precisamos deixar que a glória de Deus flua através deles para que sejam ativados. Assim o Espírito Santo vem pelas portas do nosso espírito até a nossa alma.

Temor do Senhor, reverência, oração, esperança, fé, revelação, intuição, adoração. E há uma a mais, nossa porta de acesso às dimensões celestiais, que fica atrás da porta do primeiro amor, é só seguir o rio até sua nascente.

As primeiras portas estão relacionadas com nossa comunhão, com a presença de Deus em nós. Aprendendo a identificar e conhecer a Deus pela experiência de quem Ele é, com isso aprendemos a ter comunhão e a confiar Nele naquele lugar. As outras portas estão relacionadas a revelações, são onde Deus  se revela através de nós, onde vemos aspectos do Seu Reino, onde ouvimos Sua voz, onde ficamos sabendo o que Ele está fazendo, e é onde Ele nos dá visões, sonhos e revelações do que Ele quer fazer. Sem as primeiras portas, as outras não funcionam, ou seja, sem comunhão, não há revelação.

Temor do Senhor

Nós precisamos entender que dentro de nós está o Deus onipresente, onipotente e onisciente. Isso é algo fantástico. O Deus que criou o universo, e tudo o que nele há, escolheu vir e habitar em nós. Nós nos tornamos a habitação de Deus. Nós temos que preparar o lugar em nós para que Ele habite. O Deus que é fogo consumidor está dentro de nós.

Temor do Senhor não é o mesmo que ter medo Dele. Se eu conheço o amor de Deus, não terei medo Dele. Muito pelo contrario, é algo maravilhoso ter Ele habitando dentro de nós, e Ele quer que conheçamos a maravilha de Seu presença.

Reverência

Honrando e respeitando a Deus. Não faremos nada que envergonhe o nome do Senhor. Buscaremos trazer honra para Ele.

Oração

Não tem haver com dobrar os joelhos, por as mãos juntas, e terminar dizendo ‘Amém’. Oração é um diálogo, onde o Espírito de Deus, a mente de Cristo, e o coração do Pai estão fluindo através de nós em relacionamento. Por isso orar em línguas é tão importante: é nosso espírito orando e se comunicando com Deus. E podemos fazer isso sem cessar, se treinarmos a continuar mesmo quando nossa consciência está em outro lugar.

Esperança

Este é o sentido por onde fluem visões, sonhos e oportunidades, e onde Deus nos mostra Sua vontade.

Harmonia, concordância, entendimento, e conhecimento: onde nós entramos em concordância com Deus. Nós começamos a operar nos dons do Espírito, e no poder de Deus conforme Ele flui através de nós.

Revelação

Inspiração, luz, conselho, sabedoria.

Precisamos ativar esses sentidos. Eles não são ligados automaticamente. Precisamos estar famintos e sedentos, desejando eles.

Intuição

Impressão, instinto, saber interior, conforme o Espírito Santo nos revela o coração do Pai.

Porta Celestial

Atrás da porta do primeiro amor, nossa conexão com as dimensões celestiais e uma consciência do que está acontecendo no céu.

Adoração

Agora tudo isso é ótimo, e você pode ter todas essas portas funcionando maravilhosamente, mas sem uma outra coisa, não significam nada. E isso é a adoração.

Adoração não é cantar. É um estado de complete obediência a Deus. É uma rendição total, e completa submissão à vontade de Deus para nossas vidas, em nosso dia a dia. Tudo o mais que estiver fluindo dentro de nós nos levará a dizer, ‘Senhor eu escolho me render a Ti’. Isso é o que O Senhor quer de nós.

De dentro para fora

No passado muitos de nós ficamos pensando e orando sobre o que poderia estar bloqueando cada porta, e pedimos para Deus remover. Pode ter sido útil também: descobrir a razão dos nossos dilemas, dificuldades e bloqueios através de uma ministração tradicional.

Mas essa é uma abordagem de fora para dentro. Nós queremos permitir que Deus trabalhe em nós de dentro para fora.

Eu te encorajo a procurar Jesus dentro de você, e leve-O com você em cada porta. Trabalhe com cada uma delas, talvez uma por dia. E não vá com a atitude de que você já sabe o que os nomes das portas significam: peça ao Senhor para mostrar o que elas significam para você. A maioria dos bloqueios vem de fora para dentro. Peça para Ele te mostrar quais são. Peça para Ele ficar com você e trabalhar com você em cada porta de dentro para fora desbloqueando-as e permitindo que a glória de Deus flua através delas.

Está tudo relacionado a sentir, perceber e nos conectar com Ele: é um jeito diferente de trabalhar, mas na nossa experiência, muito mais eficaz.

Artigo original em Inglês
Outros artigos de Freedom ARC

Facebook: Vida Sobrenatural (@umavidasobrenatural)

Autor: Freedom ARC

Freedom Apostolic Resource Centre, Barnstaple, UK.

3 comentários em “134. Portas do Espírito”

Os comentários estão encerrados.