Sete Montes, Sete Tronos

Este diagrama é uma representação das dimensões do céu que temos explorado.

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

Provavelmente você já ouviu pessoas falando sobre o primeiro, o segundo e o terceiro céus. No passado, isso pode ter nos ajudado a entender de onde somos, e como podemos interagir com o céu, mas esse ensino, na verdade, era muito superficial e falho. Com nossa mentalidade grega (ao invés de hebraica), nós assumimos que teríamos que ir para o segundo céu, para poder chegar ao terceiro, o que não é bem assim. Ao invés de pisos ou andares, como em um prédio, há reinos, ou dimensões. Anteriormente falamos sobre sete dimensões, três na terra, a atmosfera da terra, e três nos céus.

Sete dimensões

Olhando no diagrama acima, nós vivemos aqui no Reino da Terra, onde podemos experimentar a Presença de Deus. Nós estamos também conscientes da atmosfera da terra – lembre-se que Satanás foi chamado de ‘o príncipe da potestade do ar’. Há, de fato, três esferas de influência na atmosfera da terra: poderes, potestades e principados. Essas esferas foram criadas por Deus, mas nesse momento estão ocupados pelas forças do mal. Até agora, eles tem tido um sucesso razoável bloqueando o fluir da glória de Deus de chegar até nós através dos Portais Eternos (vamos falar sobre esses Portais no próximo post).

Ao entrar nas dimensões dos céus, vemos o Reino de Deus, o lugar do governo de Deus. Anjos caídos e forças demoníacas ainda tem acesso lá, mas não tem acesso ao Reino dos Céus. O Reino de Deus é onde está a corte, na qual Satanás acusa os irmãos. Mas Satanás e seus anjos só tem acesso a esse lugar. Eles não podem ir ao Reino dos Céus, nem ao Reino da habitação de Deus – mas nós podemos, pois é onde estamos assentados com Cristo em autoridade. E como você pode ver no diagrama, há outras dimensões além dessas.

Embaixo da terra também há três dimensões. Todas elas foram criadas por Deus, mas agora estão ocupadas pelos anjos caídos: Sheol é o lugar de morte; Tártaro é o lugar onde os ‘anjos que não permaneceram em seu devido lugar’ estão acorrentados; e o covil de Satanás. Há outros lugares aqui embaixo também, tal como a sala do troféu de Satanás, sobre a qual já escrevemos antes.

A intenção de Deus é que tomemos de volta todas essas dimensões que estão ocupadas pelo inimigo. Mas não é para enfrentarmos os anjos caídos – há o dobro de número de anjos de Deus do nosso lado que irão fazer isso por nós, se aprendermos a interagir com eles. Nosso papel é tomarmos nossos mantos e operarmos na autoridade que Deus nos chamou para exercer.

Sete montes, sete tronos

Nos lugares celestiais há montes, e tronos sobre esses montes. Isso quer dizer, há lugares de autoridade, e assentos de governo. Junto a esses montes e tronos há rolos: decretos, mandatos e recursos que podemos recorrer. A igreja Freedom tem sete montes e sete tronos. Esses tronos não estavam desocupados – gigantes estavam sentados neles, e tiveram que ser tirados de lá. De fato cada igreja (grupo específico de crentes) tem seus próprios montes e tronos relacionados ao seu chamado e propósito de Deus, sendo assim cada igreja, precisa de matadores de gigantes.

E todos de nós, como indivíduos, temos sete tronos, que precisamos ir e ocupar. Família, mercado de trabalho, dons, chamado, ministério, e etc. Há muitos tronos que podemos ter, e só poderemos descobrir quais são através de revelação, ou seja, Deus nos mostrando. Lembre-se, se não estamos sentados nele, outra coisa está, a qual terá que ser confrontada e destronada. Não é difícil matar um gigante, mas exige esforço: precisaremos fortalecer nossos músculos espirituais. Se o trono é seu por direito, você pode destronar o gigante e ocupá-lo. Mas você precisa de autoridade para governar lá – você não pode simplesmente ir e tomar o monte e o trono para outra pessoa.

Eu sei que tudo isso pode parecer um tanto estranho, um pouco de Senhor dos Anéis, mas na verdade Tolkien entendia algumas dessas coisas. Gigantes, dragões – você tem que cortar a cabeça deles, abrir suas barrigas, e tomar o despojo.

Um tipo diferente de autoridade

Com toda essa conversa sobre governo e autoridade, por favor, entenda, não estamos sendo arrogantes. No reino, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. O senhor será servo de todos. Não queremos governar para fazermos pessoas de servas. É um tipo diferente de autoridade. Temos que apoiar as pessoas, servi-las, ajuda-las a descobrir seus dons e os mandatos que Deus deu a elas, para levar essas pessoas onde estamos e além. A Geração de Josué é assim.

O céu para terra

A verdade nua e crua é que se temos que trazer o céu para terra, como dissemos antes, precisamos acessar o céu. Assim como Jesus fez. Ele trouxe o céu para terra na forma de milagres, libertação, cura, salvação, transformação, sinais e maravilhas – e Ele fez isso porque operava em duas dimensões (olhe o verbo estar em João 3:13, está no presente).

No reino de Deus há montes com níveis mais altos, e dragões que ocupam esses tronos. Eu já estive lá, lutei com dragões, mas não consigo fazer tudo isso sozinho. Ninguém consegue. Até agora só vi apenas algumas pessoas lá, mas chegou a hora de todos nós subirmos e começarmos a ocupar os lugares de autoridade que Deus nos deu.

Há ainda montes e tronos muito mais altos na dimensão do Reino dos Céus (e ainda um nível muito maior de autoridade e governo).

Na verdade os montes representam nossa posição governamental de autoridade, nós somos montes. Quando nós ocupamos o monte principal, nossa posição de governo, podemos governar todos os outros montes de lá.

Chegou a hora de todos nós assumirmos nosso papel como senhores, reis e filhos que fomos chamados para ser.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Renda-se e Governe

Mike Parsons 
com Jeremy Westcott

Quando abrimos a porta do nosso coração, quando abrimos a Porta do Primeiro Amor e deixamos Jesus entrar, Ele entra e governa. Podemos governar aqui nessa dimensão em nosso próprio monte, em nossa casa, mas governamos através da rendição. Nós damos a Ele o governo de nossas vidas. A medida que nossa mente é renovada, e Ele começa a nos transformar, e nossas emoções e nossa alma são restauradas, o Senhor nos dá a tarefa de governar cada vez mais, assim nosso espírito começa a governar em nós como um co-herdeiro com Ele.

A princípio Ele vem e governa: entregamos nossas vidas a Ele. Ele, porém, começa a nos equipar, e por isso, gradualmente, Ele nos dá uma autoridade cada vez maior para governar com Ele como filhos do nosso Pai. Ele não pode nos entregar tudo logo no início, porque não saberíamos como lidar com isso. Seria o mesmo que dar uma metralhadora para uma criança. No entanto, o tempo vai passando, e quanto mais permitirmos que Deus nos transforme em sua imagem e semelhança, mais autoridade nós receberemos. Quanto mais deixamos Deus lidar com o que está em nossos corações e vemos a mudança nas nossas vidas, mais Ele começa a nos levar ao nível de autoridade associada com o nosso destino, para que a partir desse lugar nós governemos com Ele.

Qual é nosso destino?

Nós precisamos muito ler nosso rolo do destino (Salmos 139:16). Podemos pedir a Deus para nos mostrar o que está escrito nele. Eu já havia mencionado isso antes, e falarei mais sobre isso em outra ocasião.

Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos (Rom 8:29 RA).

Essa é a nossa ordenança e nosso destino: fomos chamados para ser conforme a imagem de Jesus, para ser como Ele. Não é para haver somente uma ou duas pessoas governando nos lugares celestiais: Jesus é o primogênito entre muitos irmãos. Todos nós deveríamos governar como co-herdeiros com Cristo. Nós apenas temos que tomar posse da nossa autoridade.

Governar como um senhor…

Então nos tornamos um senhor, quando desapropriamos os gigantes e governamos nos tronos dos montes no ‘reino de Deus’, na dimensão celestial. Desse lugar é que governamos a casa. Essa é a nossa casa, nosso nível de autoridade; nosso monte, nosso trono. Isso tem haver com nosso destino e nosso mandato. Nós podemos, até mesmo, nos tornar um senhor de senhores quando discipulamos e levantamos outros senhores. Nós damos aquilo que recebemos. Nós levantamos outros e os levamos a cumprir seus destinos também.

…um rei…

Então nos tornamos rei, quando despojamos o dragão e governamos no trono do monte no ‘reino dos céus’, na dimensão celestial. Nós começamos a administrar das cortes celestiais com bondade e justiça.

Quando começarmos a operar nas cortes, descobriremos que são lugares maravilhosos de autoridade. Há todo um sistema judicial, com cortes superiores e inferiores, eu mesmo já estive em muitas delas. Há cortes de divórcio, onde podemos legalmente nos separar das coisas do nosso passado. Há cortes de acusação, onde Satanás acusa os irmãos, e temos que ir lá para lidar com as acusações contra nós (lidamos com essas acusações, concordando com elas, aceitamos o julgamento de Deus, e saímos livres porque Jesus já pagou o preço por nós). Alguns dos que estão lendo isto são chamados para ser intercessores, sendo assim, eles são chamados para entrar nas cortes e lidar com as acusações em favor de lugares, pessoas ou regiões.

Nós podemos ser um rei de reis quando discipulamos e levantamos outros reis. Tudo é uma questão de reproduzir em outros o quê Deus produz em nós. Essa é a razão pela qual Jesus tinha discípulos ao redor Dele.

…um filho

Quando somos diligentes em governar como senhores e reis, Deus irá nos colocar em nosso lugar como filhos. Então governamos num monte, em um trono na dimensão celestial do ‘Céu’. E Deus nós manifesta como filhos da luz na terra (assim como no céu). Tanto no céu, quanto na terra: a aplicação disso é que à medida que governamos primeiro nos céus, então podemos exercer esse governo na terra. Não há como fazer isso de outro jeito.

Nós viveremos como manifestos filhos de Deus, restaurando a terra ao seu propósito original – o propósito original semelhante ao da primeira criação – para nos trazer a plenitude da filiação.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Imagem: Imperial Crown of Austria Globus cruciger Sceptre.jpg
By Yelkrokoyade (Own work) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)%5D, via Wikimedia Commons

Manifestação dos Filhos de Deus

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

Lugares celestiais

Nesta série de posts estamos falando sobre os lugares celestiais. Nós vimos que há diferentes lugares ou dimensões nos céus, e que nós podemos acessá-los enquanto estamos aqui na terra, da mesma forma que Jesus fez.

Lembrem dos anjos que não ficaram dentro dos limites da sua própria autoridade, mas abandonaram o lugar onde moravam. Eles estão amarrados com correntes eternas, lá embaixo na escuridão, onde Deus os está guardando para aquele grande dia em que serão condenados (Judas v6).

Aqui está falando sobre os anjos caídos, os vigilantes, que deixaram seu devido lugar, e vieram para terra para produzir os Nefilins. Esses 200 anjos vigilantes estão presos, em um lugar chamado Tártaro. Eu já os vi lá, e eles estão amarrados por causa do que fizeram.

Ao citar versículos da Bíblia, estou tentando te mostrar que todos esses lugares diferentes nos céus tem uma base bíblica. Algumas vezes você vai ter que olhar mais atentamente para textos familiares, para ver que eles têm mais a dizer do que já havíamos visto. Da última vez, vimos que há uma sala de troféus de Satanás, onde podemos pegar de volta o que foi roubado, e agora estamos vendo que há um domínio onde há anjos amarrados.

Sete

Agora, sete é um número importante nas escrituras. Há sete dias da criação, há sete sistemas de governo. Sete é sempre o número da perfeição, do completo, e de Deus. Nós vimos que há sete dimensões, três nos céus, três na terra, e a sétima é a atmosfera da terra onde estão os principados, potestades e dominadores.

Mas a primeira dimensão de governo para nós tem que ser a nossa própria vida. Para que possamos governar nas dimensões celestiais, temos que colocar nosso espírito, alma e corpo no devido lugar. Somos a casa do Senhor, e governamos com Ele a partir do nosso espírito, não a partir de nossa alma, nem do nosso corpo, assim levamos nossa vida de volta a plenitude e completude. Por isso é que precisamos acessar nosso jardim, nosso lugar de contemplação, a câmara nupcial e a pista de dança – os quatro compartimentos do coração – para lidar com coisas na nossa própria vida. Há áreas de governos: em nós, através de nós, e nas dimensões celestes.

Rei dos reis e Senhor dos senhores

…o mesmo Deus que é o bendito e único Rei, o Rei dos reis e o Senhor dos senhores (1 Tim 6:15).

Pelejarão eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os chamados, eleitos e fiéis que se acham com ele. (Ap 17:14)

Jesus é descrito como Rei dos reis e Senhor dos senhores nessas duas passagens. Sendo assim há reis de quem Ele é Rei, e senhores de quem Ele é Senhor. O segundo versículo diz que aqueles que estão com Ele são chamados, eleitos e fiéis. Nós é que somos os chamados, eleitos e fiéis: nós somos os reis, e somos também os senhores.

Nós temos que assumir nosso lugar como senhores e reis que governam nos lugares celestiais. A batalha ainda está acontecendo, mas nós somos seguidores de Jesus, e triunfaremos sobre as obras do inimigo e teremos vitória e domínio.

O povo de Deus nunca acessou as dimensões celestiais de maneira correta, ou de forma consistente, sendo assim o inimigo tem reinado livremente, fazendo o que ele quer. Mas agora estamos começando a fazer isso, então o inimigo vai perder terreno, pois Deus nos faz vencer e tomar de volta o domínio.

Governar como senhores

A dimensão celestial chamada de ‘reino de Deus’ é o lugar de onde os senhores governam. Mas para governar, temos que derrubar os gigantes, pois eles ocupam nosso lugar de autoridade. Sendo assim, temos que fazer o mesmo que Calebe fez quando ele entrou na Terra Prometida, ele expulsou os filhos de Anaque do monte que era para ser sua possessão. Temos que fazer como Davi fez com Golias – após acertá-lo na cabeça com uma pedra que jogou com sua funda, ele cortou a cabeça do gigante (e foi isso que fez o exército inimigo fugir – já que não havia dúvida, que o campeão deles havia sido derrotado).

Isso soa um pouco sangrento, eu sei, mas temos que cortar a cabeça dos gigantes, e abri-los, para que tudo o quê estava dentro deles venha à tona, tudo aquilo que eles haviam roubado de nós, e consumido. Dessa forma podemos pegar de volta o que é nosso e comer, colocando no nosso interior. Isso sempre foi para nós, e iremos precisar para começar a ocupar um lugar de autoridade e poder.

Não é difícil matar um gigante, desde que nós tenhamos a consciência: de quem somos, que autoridade temos, o que nos pertence, e qual é o nosso mandato. Precisamos saber qual é o nosso chamado, para que possamos cumpri-lo. Quando temos confiança na nossa identidade como filhos de Deus, e sabemos o que está escrito no nosso rolo (livro) sobre nós, podemos entrar no nosso destino. Não podemos pegar o rolo de outra pessoa, nem fazer o que é designado a outro, ou assumir o trono de alguém – isso não nos pertence. Precisamos nos apropriar do nosso destino em Deus, e lutar por ele.

Governar como reis

O ‘reino dos céus’ dimensão celestial, é onde reis governam, e também é onde os dragões estão. Eles operam num nível maior de autoridade, e eles têm mais coisas escondidas dentro deles. Novamente, na dimensão do espírito podemos ir e matar dragões, abrir a barriga deles e tomar de volta tudo o que deveria ser nosso. Eu já fiz isso, e outros irmãos aqui da Freedom também. A primeira vez, embora parecesse que não havia levado muito tempo, fiquei muito cansado depois! Então entendi que eu tinha que ficar mais forte, tinha que obter mais músculos espirituais, e mais resistência.

Assumindo a posição de Filhos

Existe, ainda, a dimensão celestial chamada simplesmente ‘Céu’, onde filhos governam. Nós temos tronos lá, e é onde estamos assentados com Cristo. Quando começamos a ocupar esse lugar, Deus começa a fazer nós nos manifestarmos como filhos na terra – e é isso o que estou buscando. E é nesse lugar onde começamos a ser transfigurados, e passamos a demonstrar a presença manifesta de Deus em nossas vidas, e onde as coisas ficam realmente empolgantes.

A maioria do que está nessas dimensões é ser realizado com a manifestação da autoridade do reino. Nos nossos rolos não há muito sobre expulsar demônios, curar os enfermos, ou fazer todo tipo de milagres. Pois isso é algo básico, que qualquer cristão deveria ser capaz de fazer. Nos nossos rolos há mandatos para cada um de nós fazermos tarefas específicas nas dimensões dos céus, eles conferem a cada um de nós responsabilidade para a administração das dimensões do céu.

No future, nós governaremos as galáxias: esse é o nosso destino. Se você ler o livro de Daniel, você poderá ver como ele se refere a diferentes níveis de autoridade nos céus. Da mesma forma, quando Jesus falou sobre servos bons e fiéis que governarão dez cidades, Ele estava falando sobre dimensões muito maiores do provavelmente havíamos entendido como ‘cidades’. Em cada galáxia há um buraco negro que está só esperando pela manifestação dos filhos de Deus para ir e ocupá-lo.

Geração de Josué, é para isso que fomos chamados:  andar nos caminhos do Senhor e obedecer aos Seus preceitos, para governar a Sua casa e também estar encarregado das  cortes, e começar a agir – ter um lugar entre estes – como filhos (Zacarias 3:7).

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

 

O inimigo está desarmado e vulnerável

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

Quando o povo de Israel finalmente atravessou o Jordão, sob a liderança de Josué, e começou a ocupar a terra que Deus havia lhe dado, Calebe disse para Josué: ‘Agora me dê essa região montanhosa que o SENHOR me prometeu quando os meus companheiros e eu demos o relatório. Naquele tempo dissemos a você que os gigantes anaquins estavam lá, morando em grandes cidades cercadas de muralhas. Se o SENHOR estiver comigo, eu os expulsarei, como ele prometeu.’ (Josué 14:12).

No último post falamos sobre os montes, e o quê eles representam nas escrituras. Aqui novamente, a região montanhosa fala de uma dimensão mais alta. Calebe está falando acerca de se mover numa autoridade maior que Deus tinha prometido a ele, e que Moisés também havia prometido. Ele estava entrando na Terra Prometida, que simbolicamente representa lugares de autoridade espiritual. Havia gigantes vivendo nesses lugares de autoridade, em cidades fortificadas, que representam governo. Para Calebe e Josué, a Terra Prometida não era apenas um lugar físico, uma área geográfica, mas também era representava uma questão de autoridade espiritual, para ser exercida no natural.

Os Anaquins (ou filhos de Anaque) que vemos aqui fazem parte dos Nefilins. Eles se levantam contra os propósitos de Deus, e tem que ser tirados do lugar de autoridade que eles ocupam. Também vimos ali gigantes, os descendentes de Anaque. Perto deles nós nos sentíamos tão pequenos como gafanhotos; e, para eles, também parecíamos gafanhotos (Nm 13:33).

Gigantes nos lugares celestiais

Os Nefilins eram gigantes (Gen 6:4). Quando os anjos caídos cobriram mulheres humanas com sua sombra houve uma mutação genética de DNA. Sendo assim as figuras mitológicas gregas e romanas, como Hércules, por exemplo, são baseadas nas histórias dos nefilins antes do dilúvio.Esses nefilins não tinham espírito humano, então quando eles morreram (o que aconteceu no dilúvio) seus espíritos se tornaram os gigantes que governam nas regiões celestes. Da mesma forma, os dinossauros foram um produto anterior das tentativas de Satanás governar a terra através de criaturas que tinham seu DNA reptiliano. E quando eles morreram, eles se tornaram os dragões que também governam nas regiões celestes.

Naquele dia, o SENHOR pegará a espada, a sua espada enorme, forte e pesada, e ferirá o monstro Leviatã, a serpente que se torce e se enrola; o SENHOR matará o monstro que vive no mar (Isa 27:1). Essa é uma figura da semente de Satanás, que vive no mar (que aqui representa a terra). Leviatã e dragões são seres demoníacos que são formados conforme a imagem de Satanás.

O enorme dragão foi lançado fora do céu. Ele é aquela velha cobra, chamada Diabo ou Satanás, que leva todas as pessoas do mundo a pecar. Ele foi jogado sobre a terra, e os seus anjos também foram jogados junto com ele (Ap 12:9). Então há anjos caídos também, um terço do exército do céu, e são parte desse modelo de rebelião e governo.

Nós temos autoridade agora

…nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência (Eph 2:2). Essa passagem fala de três níveis da atmosfera da terra. E se refere a Satanás como o príncipe da potestade do ar, que tem autoridade naquela dimensão.

A palavra chave aqui é ‘outrora’. Isso significa que você costumava andar segundo o curso desse mundo, mas não anda mais. Agora Satanás não tem autoridade, a não ser sobre os ‘filhos da desobediência’. ‘Os filhos da obediência’ não estão sujeitos a Satanás como o príncipe da potestade do ar; na verdade nós é que temos autoridade naquela dimensão.

Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. (Ef 6:11-12).

Há lugares celestiais de onde essas forças espirituais exercem autoridade sobre esta dimensão, e precisamos lidar com elas. Nossa luta não é contra pessoas na terra, nosso papel é ministrar na vida delas e libertá-las da influência das coisas que estão acontecendo nas regiões celestes. Para fazer isso de maneira eficaz, precisamos ter autoridade nos céus para vencer as forças espirituais da maldade, que estão prejudicando a vida das pessoas.  Nós podemos ir lá e obter essa autoridade, delegada a nós por Deus.

O propósito eterno de Deus

Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor. (Rom 8:38-39) Todas essas coisas são reais, mas nenhuma delas pode nos separar dos propósitos de Deus.

…para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor, pelo qual temos ousadia e acesso com confiança, mediante a fé nele (Ef 3:10-12). Temos que levar a sabedoria de Deus e a autoridade do reino para essas dimensões. Essa é a nossa tarefa como povo de Deus. E podemos entrar com confiança nesses lugares celestiais pela fé no Senhor.

Criado por Ele, e para Ele

Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele (Col 1:16) Todas essas dimensões foram criadas por Jesus, mas foram criadas para Ele, e não para as forças que hoje as ocupam. À medida que as tomamos de volta, podemos entregá-las para o Senhor, e submetê-las ao governo e senhorio Dele.

C.S. Lewis viu essas coisas, e você pode ver que há muitas analogias a elas nas Crônicas de Nárnia.

O inimigo está disarmado e vulnerável

E, tendo despojado os poderes e as autoridades, fez deles um espetáculo público, triunfando sobre eles na cruz. (Col 2:15)

Isto é algo tremendo para nós. Na cruz, Jesus desarmou aqueles principados e potestades. Nosso papel é tomar de volta os lugares de autoridade, de onde eles estão operando. Eles estão vulneráveis agora, então podemos ir e lidar com eles.

Quando um homem forte e bem armado guarda a sua própria casa, tudo o que ele tem está seguro. Mas, quando um homem mais forte o ataca e vence, leva todas as armas em que o outro confiava e reparte tudo o que tomou dele. (Lucas 11:21-22).

Ninguém pode entrar na casa de um homem forte e roubar os seus bens, sem primeiro amarrá-lo. Somente assim essa pessoa poderá levar as coisas que ele tem em casa. (Mat 12:29).

Satanás é o homem forte dessa história que Jesus contou, o qual tinha possessões, que estavam guardadas, e seguras.  O homem mais forte que derrotou Satanás é Jesus. Jesus tirou de Satanás toda armadura, armas, e tudo em que ele confiava para defender suas posses.  Dessa forma, agora Jesus pode repartir o despojo.

Despoje a sala do troféu de Satanás

A sala do troféu de Satanás está debaixo da terra, e é o lugar onde tudo o que foi roubado da igreja está armazenado. Bênçãos, autoridade, poder, rolos, mandatos, armas, provisões – está tudo lá. Está guardado, mas temos em nós o poder para vencer. Podemos recuperar todas as coisas que têm sido roubadas de nós por gerações.

Nós costumávamos cantar uma canção que dizia: ‘Eu fui no terreno do inimigo e eu tomei tudo que me roubou’. Há coisas que deveriam ser nossas, que podem ser restituídas a nós, poços que foram entulhados, podem ser desentulhados. Mas somente se reconhecermos que somos mais fortes, e se governarmos nas dimensões dos céus com autoridade e poder.

Quando fizermos isso, poderemos recuperar tudo o que foi roubado.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

O que é um monte?

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

Neste blog, nós temos falado sobre montes e tronos nas dimensões do céu. Agora vou te dar algumas escrituras sobre montes, o que eles representam, e como se aplicam aqui na terra.

Nós vimos essa passagem antes sobre a queda de Lúcifer, ou como o chamamos hoje, Satanás: “Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti. Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas. (Ez 28:14-16 acf).

A partir desta escritura podemos entender que ‘o monte santo de Deus’ está no céu, é um monte de autoridade, e Deus governa de um trono nesse monte. Antes de sua queda, Satanás tinha acesso a tudo. Ele andava no meio das pedras afogueadas, ou de fogo. Nós podemos andar nessas pedras de fogo agora: elas são um lugar de revelação.

Deus aparece num monte

Quando Deus de repente começou a vir e aparecer para o homem, foi no topo de um monte.

O aspecto da glória do SENHOR era como um fogo consumidor no cimo do monte, aos olhos dos filhos de Israel. (Ex 24:17 RA).

O SENHOR Deus é grande e merece ser louvado na sua cidade, em Sião, o seu monte santo (Sl 48:1).

Os termos cidade de Deus e monte de Deus são sinônimos, se referem ao mesmo lugar. A bíblia usa vários termos diferentes para descrever como Deus governa e onde é Seu trono. Algumas vezes aparecerá templo, outras cidade, ou monte, mas tudo se referindo ao mesmo lugar. Sendo assim, quando falamos sobre governar sobre cidades, estamos usando o mesmo tipo de linguagem.

Monte Sião

Ele diz: “Já coloquei o meu rei no trono lá em Sião, o meu monte santo.” (Salmo 2:6).

A Sião celestial é o santo monte de Deus, o lugar de onde Ele governa. Nessa passagem Deus está dizendo que Davi e seu filho, seu descendente Jesus, seria rei no Seu santo monte. Esse monte está obviamente no céu, mas também aqui na terra: o monte da casa de Deus que será levantado (veja a seguir) se refere à igreja.

Em Hebreus 12:22, onde diz ‘Pelo contrário, vocês chegaram ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial com os seus milhares de anjos’, a Nova Jerusalém é um monte. Vamos olhar as escrituras sobre a Nova Jerusalém num post futuro, mas posso te adiantar agora, não é o que a maioria das pessoas está pensando.

O monte da casa do Senhor

Acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do Senhor, será estabelecido como o mais alto dos montes e se elevará por cima dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações.    (Is 2:2).

Isto é um reflexo do que está no céu. Os outeiros (pequenos montes) quando comparados aos montes representam menos autoridade, mas mesmo assim não são insignificantes. No entanto, as maiores autoridades, tanto as naturais quanto as autoridades espirituais das trevas, terão menos poder que a igreja. Desta forma, é que será nos últimos dias, quando Deus nos levantar e nos exercermos da maneira como o Senhor deseja, a autoridade que Ele nos delegou. O Senhor nos levantará assim que assumirmos nossa posição nas dimensões do céu – pois lá é o único lugar de onde vem a autoridade para governar. Não é uma autoridade terrena, nem liderança ou governo natural.

Jesus fala sobre como as figuras de autoridade na terra governam sobre as pessoas (Marcos 10:42), e sobre como Seu reino é totalmente diferente. Ele não veio para ser servido, mas para servir. Sendo assim governar no reino de Deus está relacionado a servir, e não a mandar. Os primeiros serão os últimos e os últimos serão os primeiros. Isso vem de encontro ao sistema do mundo, no qual as pessoas querem ocupar posições superiores para poder humilhar os outros e mantê-los sempre numa posição inferior. Com o quê muitos modelos de liderança da igreja se parecem: mundo ou reflexo do céu? No reino de Deus o objetivo da autoridade é levantar as pessoas.

Então sim, há um lugar para você governar, e é chamado de monte ou trono. Mas a verdadeira natureza do governo ao qual fomos chamados é erguer as pessoas, a fim de que elas ocupem seus lugares de autoridade e poder, e não mantê-las para baixo, e subservientes.

Na casa de meu pai há muitos aposentos

Jesus disse,

Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar. (Jo 14:2 NVI)

Agora isso se refere a nós, como povo de Deus aqui na terra, mas também diz que há muitos aposentos no monte de Deus, a casa de Deus no céu. Eu já estive em alguns deles, e há muitos outros, tantos que nem sei sobre eles ainda. Há a sala de guerra, a sala dos mantos, a sala do tesouro, a sala dos livros, e etc. Em cada um desses lugares podemos obter revelação especifica sobre o quê precisamos para cumprir nosso chamado e propósito na terra. E temos permissão para acessar esses aposentos.

Um monte muito alto

Quando ele estava tentando Jesus, o Diabo levou Jesus para um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e as suas grandezas (Mat 4:8). Para onde você acha que Satanás o levou? Everest? Não, para o céu. Esse lugar não é a um monte físico, ele é celestial. Ele estava mostrando para Jesus todos os reinos do mundo. Não apenas os reinos naturais da terra, mas sim todos os níveis de autoridade nas dimensões do céu, que Satanás dominava.

Ele estava oferecendo um atalho para aquilo que Jesus conquistaria através da vitória na cruz, assim Ele iria governar tudo sem precisar sofrer e morrer. Jesus não cedeu a tentação, como Adão e Eva fizeram. Satanás tinha oferecido o mesmo – ‘faça isso do seu jeito, ao invés do jeito de Deus: na verdade, você pode fazer isso sem Deus.’

Satanás levou Jesus às dimensões do céu e mostrou-Lhe tudo. Como Deus, Ele já conhecia tudo, mas Satanás o levou lá como homem. E aqui está a chave, nós também podemos entrar nessas dimensões como homens e mulheres. Podemos entrar nas dimensões do espírito, ver a realidade da autoridade celestial, e começar a ocupar tronos e montanhas lá.

Jesus voltou para o monte

Em Seu ministério terreno, Jesus ia sempre para os montes.

Jesus ficou sabendo que queriam levá-lo à força para o fazerem rei; então voltou sozinho para o monte. (Jo 6:15).

Desta vez foi provavelmente um monte físico, mas não acho que Ele ficou na dimensão terrena. Você perceberá que Ele ia para os montes antes de fazer grandes decisões. Ele estava indo para o céu para obter a revelação que Ele precisava, e trazê-la para essa dimensão.

Depois de mandar o povo embora, Jesus subiu um monte a fim de orar sozinho. Quando chegou a noite, ele estava ali, sozinho. (Mat 14:23).

Aqui novamente acontece o mesmo. Ele estava orando, não para um Deus distante, mas na presença Dele. Jesus viveu em duas dimensões, céu e terra: isso nos mostra que em cada situação Ele podia ver o que o pai estava fazendo (João 5:19).

Jesus saiu dali e foi até o lago da Galiléia. Depois subiu um monte e sentou-se ali. (Mat 15:29). Talvez você pense que pelo fato de Jesus ter sentado Ele estava apenas descansando. Eu acredito que Ele estava tomando um assento de autoridade naquela dimensão. Temos que começar a ter uma mentalidade hebraica e não grega. Temos que pensar na função, não na forma – e isso é estranho para a mentalidade ocidental. A função de um monte é autoridade, e a função de um assento é um trono de governo. Todas as escrituras que olhamos mostram para o quê são os montes, sobre o quê são, e o quê eles representam. Quando nos depararmos com eles nas escrituras, podemos parar de pensar nos montes como grandes pedaços de rocha, coisas para escalar e colocar uma bandeira no topo?

Mais um exemplo: Jesus levou Pedro, Tiago e João para um monte alto e se transfigurou diante deles (Mat 17:1-9). O que era aquele monte alto? Moisés e Elias vieram também: não era na terra. Ele disse aos discípulos para não falarem para ninguém mais o que eles tinham visto até que Ele tivesse voltado para as dimensões do céu.

Eles acessaram algo do céu naquele dia. E no tempo certo eles seriam capazes de ensinar os outros a fazerem o mesmo.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

O Caminho, a Verdade e a Vida

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

Nessa série ‘Dimensões do Reino’ começamos a entender como Deus deseja que nós tenhamos acesso ao céu agora mesmo. Para fazer isso, no entanto, há certos passos que precisamos seguir. Ele disse para Josué, o Sumo Sacerdote:

—O SENHOR Todo-Poderoso lhe diz o seguinte: “Se você obedecer às minhas leis e cumprir os seus deveres conforme eu ordeno, você será o administrador do Templo. Cuidará do santuário e de todos os outros edifícios; e, como estes anjos que estão aqui, você terá o mesmo direito de estar na minha presença”. (Zac 3:7)

A terra está cheia da sua glória

Isaías viu o Senhor em Seu trono.

No ano da morte do rei Uzias, eu vi o Senhor assentado sobre um alto e sublime trono, e as abas de suas vestes enchiam o templo. Serafins estavam por cima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobria o rosto, com duas cobria os seus pés e com duas voava. E clamavam uns para os outros, dizendo: Santo, santo, santo é o SENHOR dos Exércitos; toda a terra está cheia da sua glória. (Isa 6:1-3).

Então o Senhor senta em Seu trono, no topo de Seu monte. A estrutura desse lugar é como o templo. Há serafins que ficam acima Dele (observaremos o reino angelical com mais detalhes em outro post). Eles estão profetizando a revelação que receberam: que a terra é para ser cheia da glória de Deus. E Deus escolheu a igreja, Ele nos escolheu, para manifestar a plenitude de Sua glória na terra.

O Templo

O templo possui Átrios Externos e Internos, o Santo Lugar e o Santo dos Santos. Os véus (ou cortinas) entre as dimensões celestiais são o caminho, a verdade e a vida.

Nos Átrios Externos há trevas. Se não quisermos passar nossa eternidade lá, devemos buscar cumprir nosso propósito e nosso chamado. Nesse lugar é onde encontraremos aqueles que não cumpriram o que estava escrito em seus rolos (livros) e o destino que Deus lhes havia dado.

Nós já vimos isso antes: aqueles que como as cinco virgens tolas, e como aqueles que dizem ‘Senhor, Senhor, em Seu nome nós profetizamos, em Seu nome expulsamos, e em Seu nome operamos milagres?’ para os quais Jesus diz ‘Apartai-vos de Mim, pois não vos conheço’; eles serão lançados nas trevas. Isso não é o inferno, pois o inferno não é escuro, já que é cheio de chamas de fogo.

O Caminho, a Verdade e a Vida

Quando Jesus descreveu a si mesmo como ‘o Caminho, a Verdade e a Vida’, Ele estava se referindo as portas ou véus que separavam as áreas ou dimensões do tabernáculo do céu e da terra. Para aqueles que estavam ouvindo Ele, isso era perfeitamente claro, pois eles estavam familiarizados com essas partes do templo. Ele estava dizendo que se seguirmos a Ele, nós podemos entrar no Santo dos Santos e encontrar vida abundante. Claro, se nos aproximarmos com uma mentalidade grega ao invés de uma mentalidade hebraica, isso perderá o sentido.

Há um processo para isso, uma série de protocolos que Deus preparou para nos capacitar a entrar no Santo dos Santos.

Portais Eternos

Vamos observar este diagrama novamente.

Clique na imagem para ver em tamanho maior

A maioria da atividade do inimigo que temos enfrentado hoje está na atmosfera da terra, e é ai onde as forças espirituais do mal, e os dominadores deste mundo tenebroso e as potestades estão operando em principados (ou regiões geográficas).

O modelo que está no céu é refletido em nós. Nós fomos feitos a imagem de Deus. Nós somos corpo, alma e espírito. Sendo assim, nós também temos uma porta para a dimensão dos céus, a qual podemos abrir e experimentar o reino de Deus em nós.

Da mesma maneira, há também os Portais Eternos na fronteira entre a atmosfera da terra e dos céus. Lemos isso nos versos 7 e 9 do Salmo 24. Esses portais são governados por coisas que precisamos remover. Eu já vi Deus abrir algumas dessas portas, geralmente como resposta a oração e intercessão. Quando elas são abertas, o reavivamento acontece, e a presença de Deus e Sua glória se tornam acessíveis na dimensão terrena.

Montes e tronos

Clique na imagem para ver em tamanho maior

Na dimensão do Reino da Terra é onde ‘andamos em Seus caminhos’ (Zacarias 3:6-7). No Reino de Deus é onde ‘guardamos Suas leis’, e reinamos como senhores. Na dimensão do Reinos dos Céus é onde ‘governamos Sua casa’.

Em cada uma dessas dimensões há montes e tronos, que Deus deseja que governemos. Por exemplo, no Reino de Deus, nós, Freedom Church, temos sete montes como igreja, e sete rolos ligados a essas montanhas. Outras igrejas terão seus montes e rolos também.

Cada um de nós como indivíduos também temos nossos lugares de governo. Esses lugares são de acordo com nosso destino, chamado, e dom, e temos que ocupá-los como senhores. Jesus é o Rei dos reis e Senhor dos senhores. Nós somos esses reis e senhores, dos quais Ele é Senhor e Rei. Como senhores e reis, discipulamos pessoas, para que elas se tornem senhores e reis.

Os sete espíritos de Deus estão diante do trono na dimensão do Céu. Ele não são Deus, eles são criaturas, e estão lá como tutores para nos trazer revelação sobre Deus e Seus caminhos. Precisamos ter contato com eles para aprender deles, se quisermos ser manifestos como filhos de Deus.

Está é outra visão das dimensões do céu, baseada no diagrama em forma de ‘menorah’ de Ian Clayton.

Clique na imagem para ver em tamanho maior

Você pode ver como essas dimensões de autoridade nos céus são posicionadas da mesma forma que a estrutura do templo: Átrio Exterior, Átrio Interior, Santo Lugar, Santo dos Santos. Há protocolos que podemos seguir que irão nos ajudar a acessar cada uma dessas dimensões. Mas se queremos entrar no Lugar Santo e ouvir ‘Muito bem, servo bom e fiel’, nós precisamos cumprir nosso destino. Cada um de nós precisamos governar como um senhor, e um rei, e nos posicionar como um filho.

 A natureza criada aguarda, com grande expectativa, que os filhos de Deus sejam revelados (Rom 8:19 NVI).

E nós nos manifestaremos como filhos na terra, do modo como Deus sempre quis.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)

Uma porta para a experiência

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

O Senhor está nos convidando “suba aqui”. Ele deseja que cada um de nós, tenhamos nossas próprias experiências nas dimensões do Céu.  Na verdade eu tenho acessado essas dimensões e cada lugar que mencionei nos posts anteriores, são lugares em que realmente estive, e posso afirmar que é possível você entrar nessas dimensões também. Há muitos outros lugares onde não fui ainda. Além disso, algo que descobri é que quando Deus me dá experiências, algumas vezes é só mais tarde que Ele me dá a revelação sobre onde é o lugar em que estive. Sendo assim, há lugares onde fui que ainda não consigo dizer a você onde é.

A Palavra como uma porta

Você não precisa ficar apenas com as minhas palavras a respeito disso.

Nesse post vou te dar um monte de escrituras. Sei que alguns de vocês ficam dizendo, ‘onde está a base bíblica que prova que podemos acessar as dimensões do espírito?’ E se você não acredita que pode ir lá, nem sabe o que a Bíblia diz a respeito, então você nunca terá essa experiência. Você precisa saber que tudo isso é fundamentado nas escrituras, dessa forma você pode ter confiança em entrar nas regiões celestes. Use estas escrituras como uma porta de acesso. Experimente, e descubra por si mesmo a realidade do que você lê: suas experiências poderão então, ser uma âncora para mais.

Os reis da terra

E da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da terra. Àquele que nos ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados (Ap 1:5).

Quem são os ‘reis da terra’? Nós somos. Ao menos, deveríamos ser. Nós fomos designados para manifestar o reino dos céus na terra.

Assim que eles ouviram isso, adoraram todos juntos a Deus, dizendo: — Senhor, tu és o Criador do céu, da terra, do mar e de tudo o que existe neles! Tu falaste por meio do Espírito Santo e do nosso antepassado Davi, teu servo, quando ele disse: “Por que as nações pagãs ficaram furiosas? Por que os povos fizeram planos tão tolos? Os seus reis se prepararam, e os seus governantes se ajuntaram contra o Senhor Deus e contra o Messias, que ele escolheu.” (Atos 4:24-26).

Aqui temos novamente os reis da terra, mas desta vez se opondo a Cristo. Sendo assim, esses reis e governantes, não se referem a nós. Nessa passagem os discípulos estão fazendo uma citação do Antigo Testamento, e se refere a um tempo antes da cruz. Esses são os governadores nas regiões celestes, os principados e potestades, que se reuniram para se opor a Jesus. Eles estavam tentando destruir a semente, e fizeram de tudo para conseguir isso, mas Ele os derrotou.

No céu, na terra, e debaixo da terra

Mas não havia ninguém, nem no céu, nem na terra, nem debaixo da terra que pudesse abrir o livro e ver o que lá estava escrito. (Ap 5:3).

Nesse texto você pode ver que há pelo menos três dimensões: céu, terra, e debaixo da terra. Isso está bem claro, para aqueles que estão perguntando, ‘Como podemos saber se há algo debaixo da terra?’ Aqui está como podemos saber. Novamente,

Então ouvi todas as criaturas que há no céu, na terra, debaixo da terra e no mar, isto é, todas as criaturas do Universo, que cantavam: “Ao que está sentado no trono e ao Cordeiro pertencem o louvor, a honra, a glória e o poder para todo o sempre!” (Ap 5:13).

O trono de Deus está acima de todas essas outras dimensões.

Regiões celestiais

“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que nos tem abençoado com toda sorte de bênção espiritual nas regiões celestiais em Cristo, assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor” (Ef 1:3-4).

Deus nós abençoou com todas as bênçãos espirituais nas ‘regiões celestes’. Observe ‘regiões’ está no plural, isso significa que há mais de um lugar nos céus. E, ‘assim como Ele nos escolheu Nele antes da fundação do mundo’: sempre foi intenção de Deus que nós pudéssemos governar as dimensões do céu, e trazer o governo do céu para terra – e dessa maneira teríamos acesso tanto a terra como ao céu. Quando Jesus veio, Ele acessou tanto uma dimensão quanto a outra.

Se você ler Gênesis 28, onde Jacó sonhou com uma escada, e uma porta aberta no céu, você verá que Deus estava em pé na porta dando boas vindas para as pessoas. Aquela escada não passava por outras dimensões. As regiões celestes não são lineares, ou seja, para ir para o cinco, você não tem que primeiro passar pelo um, dois, três e quatro, você pode ir direto. Podemos ter acesso direto às dimensões do Céu, por que o nosso trono está lá.

Nossa herança

Desvendando-nos o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito que propusera em Cristo, de fazer convergir nele, na dispensação da plenitude dos tempos, todas as coisas, tanto as do céu, como as da terra; nele, digo, no qual fomos também feitos herança, predestinados segundo o propósito daquele que faz todas as coisas conforme o conselho da sua vontade (Ef 1:9-11).

Nós vivemos em uma época em que a dispensação, ou seja, a administração está sendo confiada a nós, pois o Senhor fez de nós reis. Essa administração é nossa herança. Deus planejou assim, e nós temos que fazer nossa parte. Mas não podemos fazer isso a partir da nossa posição aqui na terra. Temos que entrar nas dimensões do céu para que possamos ter sucesso, porque é de lá que vem a autoridade que nos capacitará a trazer a vontade do Senhor para terra.

Até agora, a igreja tem tentado mudar as coisas na atmosfera da terra a partir de sua posição aqui na dimensão da terra. Na verdade o que precisamos é entrar nas dimensões mais altas, nas regiões acima da atmosfera terrestre, e exercer de lá autoridade para operar as mudanças que precisamos. Assim é que oramos dentro dessas dimensões.

Olhe novamente o primeiro diagrama que compartilhei no início dessa série. Nossa autoridade vem das três dimensões acima, e da dimensão do Céu. Essa autoridade é que nos capacita a entrar na atmosfera terrestre, para quebrar o poder do inimigo, reivindicá-la e purifica-la. O inimigo a roubou, ou melhor, Adão entregou a terra para ele, mas por causa da cruz, nós podemos tomá-la de volta.

Sentados com Ele

Nós sabemos que podemos entrar nesses lugares celestiais. O versículo a seguir, nos diz que estamos assentados com Ele:

E, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus (Ef 2:6).

Novamente, se lermos cuidadosamente, veremos que essa passagem diz que há muitos lugares celestiais, e muitos tronos onde nós estamos sentados. Precisamos ter acesso ao lugar onde eles estão, e ter certeza de que estamos assentados neles.

Ele desceu, Ele subiu

O que quer dizer “ele subiu”? Quer dizer que ele também desceu até os lugares mais baixos da terra, isto é, até o mundo dos mortos. Assim, quem desceu é o mesmo que subiu, acima e além dos céus, para encher todo o Universo com a sua presença. (Ef 4:9-10).

Se Ele desceu até os lugares mais baixos da terra, e nós devemos fazer todas as obras que Ele faz, e fez, então o que nós temos que fazer? Esses lugares mais baixos da terra também são regiões onde deveríamos estar reinando. Aqui não estou falando sobre Júlio Verne,e Viagem ao Centro da Terra. Muito menos sobre descermos fisicamente até lá. Esses lugares são regiões espirituais de governo e autoridade. No centro da terra há um trono no qual Adão teria reinado em glória.

Também está escrito que Jesus subiu. Sendo assim, todas as dimensões devem ser cheias com a glória de Deus.

O eterno propósito de Deus

Isso só vai acontecer através de nós, através da igreja, porque é assim o modo como Deus planejou:

E manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor,. (Ef 3:9-11).

A multiforme sabedoria de Deus é para se tornar conhecida dos principados e potestades nos lugares celestiais através igreja, através de nós. Esse é o eterno propósito Dele. Ele sempre planejou que deveria ser assim.

Deus está em todos

E há somente um Deus e Pai de todos, que é o Senhor de todos, que age por meio de todos e está em todos. (Ef 4:6).

Nós precisamos agarrar essa verdade, porque irá explicar a razão pela qual podemos entrar em qualquer uma dessas dimensões, e para todos os lugares celestiais. Deus está em todos, e nós estamos Nele.

Quero te encorajar a pegar essas escrituras, medite nelas, peça a Deus para te levar a esses lugares celestiais e te mostrar a realidade de tudo isso.

Essa é sua herança. Você pode ter acesso total a ela.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)