Renda-se e Governe

Mike Parsons 
com Jeremy Westcott

Quando abrimos a porta do nosso coração, quando abrimos a Porta do Primeiro Amor e deixamos Jesus entrar, Ele entra e governa. Podemos governar aqui nessa dimensão em nosso próprio monte, em nossa casa, mas governamos através da rendição. Nós damos a Ele o governo de nossas vidas. A medida que nossa mente é renovada, e Ele começa a nos transformar, e nossas emoções e nossa alma são restauradas, o Senhor nos dá a tarefa de governar cada vez mais, assim nosso espírito começa a governar em nós como um co-herdeiro com Ele.

A princípio Ele vem e governa: entregamos nossas vidas a Ele. Ele, porém, começa a nos equipar, e por isso, gradualmente, Ele nos dá uma autoridade cada vez maior para governar com Ele como filhos do nosso Pai. Ele não pode nos entregar tudo logo no início, porque não saberíamos como lidar com isso. Seria o mesmo que dar uma metralhadora para uma criança. No entanto, o tempo vai passando, e quanto mais permitirmos que Deus nos transforme em sua imagem e semelhança, mais autoridade nós receberemos. Quanto mais deixamos Deus lidar com o que está em nossos corações e vemos a mudança nas nossas vidas, mais Ele começa a nos levar ao nível de autoridade associada com o nosso destino, para que a partir desse lugar nós governemos com Ele.

Qual é nosso destino?

Nós precisamos muito ler nosso rolo do destino (Salmos 139:16). Podemos pedir a Deus para nos mostrar o que está escrito nele. Eu já havia mencionado isso antes, e falarei mais sobre isso em outra ocasião.

Porquanto aos que de antemão conheceu, também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos (Rom 8:29 RA).

Essa é a nossa ordenança e nosso destino: fomos chamados para ser conforme a imagem de Jesus, para ser como Ele. Não é para haver somente uma ou duas pessoas governando nos lugares celestiais: Jesus é o primogênito entre muitos irmãos. Todos nós deveríamos governar como co-herdeiros com Cristo. Nós apenas temos que tomar posse da nossa autoridade.

Governar como um senhor…

Então nos tornamos um senhor, quando desapropriamos os gigantes e governamos nos tronos dos montes no ‘reino de Deus’, na dimensão celestial. Desse lugar é que governamos a casa. Essa é a nossa casa, nosso nível de autoridade; nosso monte, nosso trono. Isso tem haver com nosso destino e nosso mandato. Nós podemos, até mesmo, nos tornar um senhor de senhores quando discipulamos e levantamos outros senhores. Nós damos aquilo que recebemos. Nós levantamos outros e os levamos a cumprir seus destinos também.

…um rei…

Então nos tornamos rei, quando despojamos o dragão e governamos no trono do monte no ‘reino dos céus’, na dimensão celestial. Nós começamos a administrar das cortes celestiais com bondade e justiça.

Quando começarmos a operar nas cortes, descobriremos que são lugares maravilhosos de autoridade. Há todo um sistema judicial, com cortes superiores e inferiores, eu mesmo já estive em muitas delas. Há cortes de divórcio, onde podemos legalmente nos separar das coisas do nosso passado. Há cortes de acusação, onde Satanás acusa os irmãos, e temos que ir lá para lidar com as acusações contra nós (lidamos com essas acusações, concordando com elas, aceitamos o julgamento de Deus, e saímos livres porque Jesus já pagou o preço por nós). Alguns dos que estão lendo isto são chamados para ser intercessores, sendo assim, eles são chamados para entrar nas cortes e lidar com as acusações em favor de lugares, pessoas ou regiões.

Nós podemos ser um rei de reis quando discipulamos e levantamos outros reis. Tudo é uma questão de reproduzir em outros o quê Deus produz em nós. Essa é a razão pela qual Jesus tinha discípulos ao redor Dele.

…um filho

Quando somos diligentes em governar como senhores e reis, Deus irá nos colocar em nosso lugar como filhos. Então governamos num monte, em um trono na dimensão celestial do ‘Céu’. E Deus nós manifesta como filhos da luz na terra (assim como no céu). Tanto no céu, quanto na terra: a aplicação disso é que à medida que governamos primeiro nos céus, então podemos exercer esse governo na terra. Não há como fazer isso de outro jeito.

Nós viveremos como manifestos filhos de Deus, restaurando a terra ao seu propósito original – o propósito original semelhante ao da primeira criação – para nos trazer a plenitude da filiação.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Imagem: Imperial Crown of Austria Globus cruciger Sceptre.jpg
By Yelkrokoyade (Own work) [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html) or CC BY-SA 3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)%5D, via Wikimedia Commons

Guerra contra a semente

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

Quando Satanás caiu, ele estava tentado derrubar o plano eterno de Deus de que o Homem herdaria os céus. Ele queria aquela posição de governo para ele prórprio.

guerra-espiritual

 

Aqui está um diagram que eu uso quando ensino sobre batalha espiritual na Freedom Church: a escrita está um pouco pequena para ler, mas se você clicar com o botão direito do mouse na imagem, ela irá abrir maior em outra janela.

Tempo e Eternidade

Do lado esquerdo você vê eternidade, o cenário de Gênesis 1:1, ou antes que houvesse tempo, se você preferir. Deus criou a terra para ser habitada, no entanto, como vimos anteriormente, Lúcifer se rebelou e foi lançado na terra, onde trouxe o julgamento de Deus sobre ela no primeiro dilúvio.

Do lado direito, você encontrará Gênesis 1:2. Dentro do parêntese do tempo, agora. A terra está sem forma e vazia. Deus começa de novo, recriando a terra. Quanto tempo há entre os versos 1 e 2? Não temos ideia. Nem sabemos qual foi o intervalo de tempo entre os versos 2 e 3. Poderia ter sido milésimos de segundos, ou talvez 14 bilhões de anos. Nós não sabemos.

A Queda do Homem

Então vem a semana da (re-)criação, e logo em seguida a história da queda de Adão, e como Satanás atrai Adão e Eva, oferecendo a única coisa que ele tinha para negociar: informação. Ele oferece a eles a oportunidade de serem iguais a Deus, mas sem Deus. A oportunidade de ter conhecimento, sem Deus. Para governar, sem Deus (mais tarde ele tentaria a mesma coisa com Jesus no deserto). Essa é a base do humanismo.

A negociação da semente

Ele lhes ofereceu informação em troca de alguma coisa. Eles não fizeram negócio ao comer um pedaço do fruto de uma árvore – quando olhamos o original em aramaico, vemos que essa é uma linguagem simbólica. Satanás os cobriu com sua sombra, e pegou o DNA deles. Ele sabia que DNA seria a única coisa que poderia herdar os céus.

Como agora ele tinha DNA, ele produz uma semente. Isso pode soar estranho, mas está nas escrituras. Em Gênesis 3:14-15 encontramos a primeira profecia que fala da vinda de um Messias, um redentor, e no verso 15 lemos sobre a semente de Satanás: “E porei inimizade entre ti e a mulher e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.” Deus está falando com Satanás e diz, “a tua semente e a sua semente”. Está bem claro que Satanás tem semente.

Guerra das sementes

E foi assim que ele conseguiu a semente. Caim e Abel eram gêmeos, mas possuíam pais diferentes. O pai de Abel era Adão, e seu DNA era para produzir o que é chamado de “semente da mulher”. Todavia, Abel foi morto por Caim, sendo assim Deus teve que restituir essa linhagem através de Sete, pois o pai de Caim era Satanás. Esse período, então, pode ser visto como a guerra das sementes. E nesse período a semente de Caim fez de tudo para dominar.

Contaminação da Semente

Então, nos tempos de Noé, aparecem os anjos caídos – Ben Elohim (filhos de Deus) – que caíram na terra, deixando o lugar que lhes era destinado (Judas 1:6). Eles fazem com as mulheres humanas, algo semelhante ao que Satanás havia feito, cobrem elas com sua sombra (isso não se refere a sexo, mas sim lançar sombras no DNA delas) para produzir uma raça de gigantes chamados de Nefilins. A batalha espiritual se tornou intensa. Havia uma luta pela pureza da semente. O julgamento vem novamente com dilúvio, mas Deus preserva a semente da mulher.

Jesus a Semente

Nós sabemos que Jesus é a semente que viria, aquele que pisaria na cabeça de Satanás (mesmo que o calcanhar Dele fosse ferido pela serpente). Satanás não sabia disso, então tentou de todas as maneiras, impedir o cumprimento dessa profecia, eliminando ou corrompendo a semente antes que aquilo pudesse acontecer.

Abraão e sua semente

Lembre-se da aliança que Deus fez com Abraão, era uma aliança com ele e ‘sua semente’(Gal 3:16). Durante todo período do Antigo Testamento, Satanás fez de tudo para tentar frustrar o plano de Deus, desde genocídio promovido por Faraó até a matança dos inocentes ordenada por Herodes. Ele queria de todas as maneiras impedir o cumprimento da palavra de Deus em Gênesis 3:15. Até mesmo quando Jesus estava pronto para começar Seu ministério, como mencionei anteriormente, no deserto Satanás tentou impedir Jesus de cumprir Seu destino.

O cumprimento da Profecia

Ele havia pensado que a cruz seria o seu momento de triunfo. Até que descobriu que, apesar de todo seu esforço, tudo o que ele havia feito contribuiu com o eterno propósito de Deus, e cooperou com o prometido golpe esmagador em sua própria cabeça.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)