O que é um monte?

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

Neste blog, nós temos falado sobre montes e tronos nas dimensões do céu. Agora vou te dar algumas escrituras sobre montes, o que eles representam, e como se aplicam aqui na terra.

Nós vimos essa passagem antes sobre a queda de Lúcifer, ou como o chamamos hoje, Satanás: “Tu eras o querubim, ungido para cobrir, e te estabeleci; no monte santo de Deus estavas, no meio das pedras afogueadas andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado, até que se achou iniquidade em ti. Na multiplicação do teu comércio encheram o teu interior de violência, e pecaste; por isso te lancei, profanado, do monte de Deus, e te fiz perecer, ó querubim cobridor, do meio das pedras afogueadas. (Ez 28:14-16 acf).

A partir desta escritura podemos entender que ‘o monte santo de Deus’ está no céu, é um monte de autoridade, e Deus governa de um trono nesse monte. Antes de sua queda, Satanás tinha acesso a tudo. Ele andava no meio das pedras afogueadas, ou de fogo. Nós podemos andar nessas pedras de fogo agora: elas são um lugar de revelação.

Deus aparece num monte

Quando Deus de repente começou a vir e aparecer para o homem, foi no topo de um monte.

O aspecto da glória do SENHOR era como um fogo consumidor no cimo do monte, aos olhos dos filhos de Israel. (Ex 24:17 RA).

O SENHOR Deus é grande e merece ser louvado na sua cidade, em Sião, o seu monte santo (Sl 48:1).

Os termos cidade de Deus e monte de Deus são sinônimos, se referem ao mesmo lugar. A bíblia usa vários termos diferentes para descrever como Deus governa e onde é Seu trono. Algumas vezes aparecerá templo, outras cidade, ou monte, mas tudo se referindo ao mesmo lugar. Sendo assim, quando falamos sobre governar sobre cidades, estamos usando o mesmo tipo de linguagem.

Monte Sião

Ele diz: “Já coloquei o meu rei no trono lá em Sião, o meu monte santo.” (Salmo 2:6).

A Sião celestial é o santo monte de Deus, o lugar de onde Ele governa. Nessa passagem Deus está dizendo que Davi e seu filho, seu descendente Jesus, seria rei no Seu santo monte. Esse monte está obviamente no céu, mas também aqui na terra: o monte da casa de Deus que será levantado (veja a seguir) se refere à igreja.

Em Hebreus 12:22, onde diz ‘Pelo contrário, vocês chegaram ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial com os seus milhares de anjos’, a Nova Jerusalém é um monte. Vamos olhar as escrituras sobre a Nova Jerusalém num post futuro, mas posso te adiantar agora, não é o que a maioria das pessoas está pensando.

O monte da casa do Senhor

Acontecerá nos últimos dias que se firmará o monte da casa do Senhor, será estabelecido como o mais alto dos montes e se elevará por cima dos outeiros; e concorrerão a ele todas as nações.    (Is 2:2).

Isto é um reflexo do que está no céu. Os outeiros (pequenos montes) quando comparados aos montes representam menos autoridade, mas mesmo assim não são insignificantes. No entanto, as maiores autoridades, tanto as naturais quanto as autoridades espirituais das trevas, terão menos poder que a igreja. Desta forma, é que será nos últimos dias, quando Deus nos levantar e nos exercermos da maneira como o Senhor deseja, a autoridade que Ele nos delegou. O Senhor nos levantará assim que assumirmos nossa posição nas dimensões do céu – pois lá é o único lugar de onde vem a autoridade para governar. Não é uma autoridade terrena, nem liderança ou governo natural.

Jesus fala sobre como as figuras de autoridade na terra governam sobre as pessoas (Marcos 10:42), e sobre como Seu reino é totalmente diferente. Ele não veio para ser servido, mas para servir. Sendo assim governar no reino de Deus está relacionado a servir, e não a mandar. Os primeiros serão os últimos e os últimos serão os primeiros. Isso vem de encontro ao sistema do mundo, no qual as pessoas querem ocupar posições superiores para poder humilhar os outros e mantê-los sempre numa posição inferior. Com o quê muitos modelos de liderança da igreja se parecem: mundo ou reflexo do céu? No reino de Deus o objetivo da autoridade é levantar as pessoas.

Então sim, há um lugar para você governar, e é chamado de monte ou trono. Mas a verdadeira natureza do governo ao qual fomos chamados é erguer as pessoas, a fim de que elas ocupem seus lugares de autoridade e poder, e não mantê-las para baixo, e subservientes.

Na casa de meu pai há muitos aposentos

Jesus disse,

Na casa de meu Pai há muitos aposentos; se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar-lhes lugar. (Jo 14:2 NVI)

Agora isso se refere a nós, como povo de Deus aqui na terra, mas também diz que há muitos aposentos no monte de Deus, a casa de Deus no céu. Eu já estive em alguns deles, e há muitos outros, tantos que nem sei sobre eles ainda. Há a sala de guerra, a sala dos mantos, a sala do tesouro, a sala dos livros, e etc. Em cada um desses lugares podemos obter revelação especifica sobre o quê precisamos para cumprir nosso chamado e propósito na terra. E temos permissão para acessar esses aposentos.

Um monte muito alto

Quando ele estava tentando Jesus, o Diabo levou Jesus para um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e as suas grandezas (Mat 4:8). Para onde você acha que Satanás o levou? Everest? Não, para o céu. Esse lugar não é a um monte físico, ele é celestial. Ele estava mostrando para Jesus todos os reinos do mundo. Não apenas os reinos naturais da terra, mas sim todos os níveis de autoridade nas dimensões do céu, que Satanás dominava.

Ele estava oferecendo um atalho para aquilo que Jesus conquistaria através da vitória na cruz, assim Ele iria governar tudo sem precisar sofrer e morrer. Jesus não cedeu a tentação, como Adão e Eva fizeram. Satanás tinha oferecido o mesmo – ‘faça isso do seu jeito, ao invés do jeito de Deus: na verdade, você pode fazer isso sem Deus.’

Satanás levou Jesus às dimensões do céu e mostrou-Lhe tudo. Como Deus, Ele já conhecia tudo, mas Satanás o levou lá como homem. E aqui está a chave, nós também podemos entrar nessas dimensões como homens e mulheres. Podemos entrar nas dimensões do espírito, ver a realidade da autoridade celestial, e começar a ocupar tronos e montanhas lá.

Jesus voltou para o monte

Em Seu ministério terreno, Jesus ia sempre para os montes.

Jesus ficou sabendo que queriam levá-lo à força para o fazerem rei; então voltou sozinho para o monte. (Jo 6:15).

Desta vez foi provavelmente um monte físico, mas não acho que Ele ficou na dimensão terrena. Você perceberá que Ele ia para os montes antes de fazer grandes decisões. Ele estava indo para o céu para obter a revelação que Ele precisava, e trazê-la para essa dimensão.

Depois de mandar o povo embora, Jesus subiu um monte a fim de orar sozinho. Quando chegou a noite, ele estava ali, sozinho. (Mat 14:23).

Aqui novamente acontece o mesmo. Ele estava orando, não para um Deus distante, mas na presença Dele. Jesus viveu em duas dimensões, céu e terra: isso nos mostra que em cada situação Ele podia ver o que o pai estava fazendo (João 5:19).

Jesus saiu dali e foi até o lago da Galiléia. Depois subiu um monte e sentou-se ali. (Mat 15:29). Talvez você pense que pelo fato de Jesus ter sentado Ele estava apenas descansando. Eu acredito que Ele estava tomando um assento de autoridade naquela dimensão. Temos que começar a ter uma mentalidade hebraica e não grega. Temos que pensar na função, não na forma – e isso é estranho para a mentalidade ocidental. A função de um monte é autoridade, e a função de um assento é um trono de governo. Todas as escrituras que olhamos mostram para o quê são os montes, sobre o quê são, e o quê eles representam. Quando nos depararmos com eles nas escrituras, podemos parar de pensar nos montes como grandes pedaços de rocha, coisas para escalar e colocar uma bandeira no topo?

Mais um exemplo: Jesus levou Pedro, Tiago e João para um monte alto e se transfigurou diante deles (Mat 17:1-9). O que era aquele monte alto? Moisés e Elias vieram também: não era na terra. Ele disse aos discípulos para não falarem para ninguém mais o que eles tinham visto até que Ele tivesse voltado para as dimensões do céu.

Eles acessaram algo do céu naquele dia. E no tempo certo eles seriam capazes de ensinar os outros a fazerem o mesmo.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)