126. Uma Sombra do Céu

Mike Parsons
com Jeremy Westcott 

Deus está liberando um som do céu. É um som que nossos músicos – e outros – estão captando. Tem quatro notas, que parecem se relacionar com as quatro faces de Deus e as quatro letras do Seu Nome. Você provavelmente já ouviu isso, e ecos dele começaram a aparecer no louvor e adoração de músicas que as pessoas estão escrevendo ao redor do mundo. É um som bastante longo, talvez escrito como algo como “whoa” ou “wo-oh”. Eu estou ouvindo isso o tempo todo.

Você se lembra do filme “Contatos Imediatos do Terceiro Grau“? Nele, o personagem de Richard Dreyfuss estava obtendo impressões de uma determinada montanha, até mesmo esculpindo-a a partir de purê de batata, e ouvindo uma sequencia de notas que eventualmente o levaram a encontrar vida alienígena. Isso é semelhante ao que Deus está fazendo, mas o que Ele quer que encontremos é Ele, e Ele quer que estejamos em sintonia com nosso destino.

Infinito

O símbolo do infinito (ou lemniscado), ∞, de diversas formas. (Créditos da foto: Wikipedia)

Existe um símbolo matemático que acompanha o som, o símbolo do infinito, que representa a eternidade e sua forma reflete algo que sai e retorna à eternidade. Quando estou adorando, vejo que sem perceber estou desenhando ele no ar.

Tanto o som quanto o símbolo estão nos levando de volta ao nosso destino. Nosso destino veio da eternidade e retornará à eternidade, mas há toda uma jornada e um caminho para seguirmos ao longo do caminho (e Deus está nos chamando para a intersecção, onde nosso passado e nosso futuro se juntam).

Ressoe

Precisamos entrar em ressonância com a frequência desse som. Todo o nosso corpo pode ressoar com ele. Todos os nossos órgãos estão conectados ao nosso centro auditivo, então todo o nosso corpo pode atuar como uma caixa de ressonância. Sendo assim, quando ele vibra nessa frequência, podemos ouvir, sentir e vivenciar esse som.

Que nos chama de volta ao nosso destino celestial.

Quando o Espírito do Senhor Deus estava se movendo sobre a face das águas (Gênesis 1:2) – a NIV e algumas outras versões dizem “pairando” – Ele estava vibrando, trazendo as águas em harmonia com essa frequência de vibração. Foi então que Deus disse: “Haja luz”. E quando respondemos e voltamos à frequência de Deus, Ele começa a falar e a invocar Seu propósito em nossas vidas.

Nossos corpos são cerca de 70% água, e a água conduz o som quatro vezes melhor que o ar. Quando o Espírito de Deus começa a nos encobrir, temos que voltar a frequência de ressonância. Isso foi o que aconteceu com Maria quando o Espírito Santo a encobriu com Sua sombra, e Jesus foi concebido no ventre dela. Quando Ele nos encobrir e nos atrair para ressoarmos com Ele, Ele nos mostra quem somos, qual o nosso destino, e nos trará de volta ao propósito original, que Ele tinha para nós antes da fundação do mundo.

A sombra do céu

Deus fala através de sombras do céu. Sempre que ele vê algo na terra que é uma sombra do que está no céu, Ele começa a falar sobre isso. Aconteceu quando Salomão construiu o templo e os sacerdotes e levitas foram dedicá-lo para Deus. A nuvem de glória encheu o templo e os sacerdotes não puderam continuar com os sacrifícios. Esse templo foi construído com base no que estava no céu e, portanto, Deus o encheu.

Quando nossas vidas entram nesse padrão celestial, e quando a igreja entra nesse padrão celestial, Deus começa a nos encher, para nos fazer crescer. Precisamos experimentar essa unção do Espírito, assim seremos atraídos para a cooperação (alinhamento, concordância, harmonia, ressonância) com Deus e com o padrão para nossas vidas que está no céu.

Esse padrão está escrito em nosso rolo do destino, que saiu da eternidade. Podemos pedir a Deus que nos mostre, e podemos concordar com ele. Quanto mais nossas vidas se tornarem uma sombra desse padrão, mais Ele virá e nos encherá até transbordarmos.

Artigo original em Inglês
Outros artigos de Freedom ARC

Facebook: Vida Sobrenatural (@umavidasobrenatural)

Recursos em Inglês

Blog: Sons of Issachar (www.freedomarc.blog)
Facebook: Freedom ARC (@freedomarc.uk)
Instagram: freedom_arc
Twitter: @freedomarc
YouTube: Mike Parsons’ channel

87. Os Céus e a Terra

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

O sumo sacerdote Josué

… e o Anjo do SENHOR estava ali, protestou a Josué e disse: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Se andares nos meus caminhos e observares os meus preceitos, também tu julgarás a minha casa e guardarás os meus átrios, e te darei livre acesso entre estes que aqui se encontram..” (Zac 3:6-7)

Da última vez vimos nessa passagem como há uma progressão nas coisas requeridas para Josué fazer, a fim de que ele desfrutasse de livre acesso nas dimensões do céu. O primeiro requerimento é andar nos caminhos de Deus e observar os Seus preceitos. Nós estudaremos essas dimensões, as quais ele teria acesso, mas primeiros vamos entender melhor sobre esses preceitos ou leis.

12 Leis de Jerusalém

As leis não os Dez Mandamentos, mas sim princípios, que descrevem como Deus opera em Seu Reino.

  • Lei da Vida do Espírito
  • Lei do Pecado e da Morte
  • Lei do Amor
  • Lei da Fé
  • Lei da Semeadura e da Colheita
  • Lei da Primeira Menção
  • Lei da Primogenitura
  • Lei da Abundância
  • Lei da Justiça
  • Lei do Juízo
  • Lei da Graça
  • Lei da Retidão

Estes são os princípios de como Deus opera e de como deveríamos operar no reino. Assim como Josué, quando começamos a fazer isso, ganhamos livre acesso as regiões celestes.

Dimensões do Reino

Quero compartilhar com vocês uma representação das dimensões do Céu, para que você possa ter uma ideia de como essas dimensões se relacionam uma com a outra. No entanto, é só uma representação e nossa compreensão sobre isso está crescendo o tempo todo.

dimensoes-do-reino

Você verá que há reinos debaixo da terra. De fato, há três reinos na terra, três reinos nos Céus (no reino de Deus, um reino que havia sido dado a Adão), e há a atmosfera entre terra e céus, totalizando sete. Sempre você encontrará sete nas coisas de Deus, porque sete fala de conclusão e é o número perfeito.

Cada reino celestial tem sete dimensões ou níveis de autoridade. Ainda não sei o que todos eles são ainda, só sei que eles estão ligados à estrutura das cortes (falaremos sobre isso na série de posts sobre Transformação).

Na atmosfera da terra há três reinos (o pensamento grego os vê como camadas, mas não são), reinos do domínio do Reino de Deus, e você verá o reino da terra onde experimentamos a presença de Deus. Nessa atmosfera está a região onde devemos dominar, mas está em trevas.

Debaixo da terra, há vários lugares: Sheol, a sala de troféus, e Tartarus, onde certos anjos estão aprisionados. Lá também existem outros lugares, mas esse não é o nosso foco agora.

Algo importante que você deve entender é que não temos que passar por um reino para chegar ao outro. Essa ideia é mentalidade grega. Deus tem me mostrado lugares em muitos desses reinos, e só depois de algum tempo é que eu percebo onde estão localizados.

Vamos dar uma olhada em algumas escrituras, para que possamos ver como isso aconteceu.

Queda de Satanás

No começo (Gen 1:1) Deus criou os céus e a terra. Ele criou primeiro os céus. O Céu não era apenas físico, abrangia todos aqueles reinos que estivemos observando: os reinos do Seu Reino, e os reinos de Sua autoridade. O reino está ligado à autoridade, domínio, e governo. A tarefa de Adão seria trazer o que há nos Céus para terra. A Terra deveria refletir o Céu. A Terra não estava no mesmo lugar que conhecemos agora. Isto aconteceu antes que o tempo existisse, naquele momento tempo não existia. E os filhos de Deus (particularmente os ben elohim) foram criados, os quais eram anjos, que estavam preparando a Terra para o Homem.

No verso 2 diz:  A terra era um vazio, sem nenhum ser vivente, e estava coberta por um mar profundo. A escuridão cobria o mar, e o Espírito de Deus se movia por cima da água. Deus não criou a terra assim. Alguma coisa aconteceu nesse intervalo entre Deus criando os céus e a terra, e a terra se tornando sem forma e vazia.

O que aconteceu foi o seguinte: Satanás caiu.

Isso aconteceu antes da criação de Adão. O Espírito estava pairando, se movendo sobre a face das águas. O fato de que todo planeta estava coberto com água indica que havia acontecido um julgamento. Deus não criou a terra desse jeito.

Não a criou vazia

Pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. (Col 1:16).

Tudo foi criado por Jesus. Tronos, soberanias, principados e potestades não são nomes de demônios, e nem de anjos caídos (embora os anjos caídos operem nessas dimensões de autoridade e poder). Então tudo isso – tronos, soberanias, principados e potestades – foi criado por Jesus. ‘Todas as coisas visíveis e invisíveis’ foram criadas por Ele. No entanto, coisas que são invisíveis aos nossos olhos naturais agora, não eram invisíveis aos olhos espirituais de Adão.

A posição do reino é que os céus venham para terra. A terra deve ser um reflexo dos céus. Tudo aquilo que você vê nos céus, Deus quer ver sendo realizado nas nossas vidas. Os princípios dos céus precisam ser refletidos nas nossas vidas, e então no mundo ao nosso redor (começando com nossas esferas de influência). Tudo que há no céu, o Senhor quer trazer para terra.

Como era a terra quando Deus a criou? Como podemos ter certeza de que não foi criada “sem forma e vazia” (como uma leitura diferente de Gen 1:2 diz que foi)? Veja esse versículo de Isaías:

Porque assim diz o Senhor que tem criado os céus, o Deus que formou a terra e a fez; ele a estabeleceu, não a criou vazia, mas a formou para que fosse habitada: Eu sou o Senhor, e não há outro (Isa 45:18 ARC).

Não a criou vazia.

Conectado ao reino do Céu

Estas são as origens dos céus e da terra, quando foram criados; no dia em que o Senhor Deus fez a terra e os céus (Gen 2:4 ACF). Você percebe como as duas metades desse versículo estão se referindo a coisas diferentes? Há “foram criados céus e terra” e então há “fez a terra e os céus”. Originalmente, o Senhor os criou, mas então alguma coisa aconteceu para estragar (e nós já sabemos o que foi); e daquilo que estava sem forma e vazio, Ele fez céus e terra. Na criação original não havia estrelas, planetas e galáxias como conhecemos agora. Eles não existiam na criação original porque a terra estava no centro daquele círculo, e tinha uma conexão direta com o céu. A Terra era (e ainda é) para ser conectada aos céus.

Agora, como nós sabemos, Adão tinha acesso para caminhar com Deus. A terra, no centro de tudo, era conectada ao reino do céu. Havia uma ligação entre o Éden (jardim de Deus), e o jardim que Deus plantou para Adão. Isso significa que Adão tinha acesso a qualquer reino do nosso diagrama, tanto os que estavam embaixo da terra quanto os que estavam em cima, incluindo o reino dos Céus. Depois da queda tudo foi movido para o tempo e espaço, e a terra foi desconectada do céu. O eixo da terra foi movido e tudo se tornou elíptico ao invés de circular, até mesmo a órbita dos elétrons ao redor do núcleo do átomo.

Se Adão não tivesse caído, e se ele tivesse comido da Árvore da Vida (que era o caminho da vida), ele teria tido acesso aos reinos mais elevados: o Reino dos Céus, a Perfeição, e a Eternidade.

Mas como já sabemos, ele escolheu um caminho diferente.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)

Este artículo también se encuentra disponible en Español

* A Lei da Primeira Menção estabelece precedente para maneira como devemos interpretar uma palavra ou frase em particular nas escrituras. Sabendo que para Deus tudo é circular, em muitos casos temos que voltar ao livro de Gênesis, para entender corretamente o que acontecerá no Apocalipse.

82. Características da Geração de Josué (#21-25)

Mike Parsons

O véu está aberto: em espírito podemos entrar nas regiões celestiais através do véu que é a carne de Jesus. Então poderemos viver lá. Precisamos entrar nessa dimensão. A Terra Prometida não está relacionada somente com a terra, mas sim em trazer o céu para terra. Como vimos da última vez, se nós realmente quisermos ser agentes de mudança, temos que aprender a governar nos céus para que possamos trazer de lá a autoridade que precisamos para exercer na terra. Hoje voltaremos a observar as características da geração de Josué, sendo assim, quero te encorajar a olhar para elas tendo em mente essa necessidade de entrarmos nas dimensões celestiais.

Outro Josué

Antes, porém, deixe me falar um pouco sobre outro Josué, que viveu muito tempo depois, para nós ajudar a entender melhor. Este Josué era o Sumo Sacerdote que foi chamado para entrar na dimensão dos céus.

“E ele disse a Josué: O SENHOR Todo-Poderoso lhe diz o seguinte: “Se você obedecer às minhas leis e cumprir os seus deveres conforme eu ordeno, você será o administrador do Templo. Cuidará do santuário e de todos os outros edifícios; e, como estes anjos que estão aqui, você terá o mesmo direito de estar na minha presença..” (Zacarias 3:6-7).

“Se você obedecer às minhas leis e cumprir os seus deveres conforme eu ordeno”, isso se refere às coisas que fazemos aqui nessa dimensão. O Salmo 119:1-40, nos ajuda entender melhor sobre os caminhos do Senhor, ou seja, Suas ordenanças, Seu caráter e Sua natureza. Se obedecermos ao Senhor agindo de acordo com Sua palavra, e de acordo com os princípios do reino aqui nessa dimensão, veremos a manifestação do reino aqui na terra como é no céu.

“…você será o administrador do Templo”, o Templo referido aqui é uma dimensão do reino dos céus, portanto administrar o Templo é algo que é feito nas regiões celestiais. E nós também somos o templo do Espírito Santo, a casa de Deus.

“…também tu julgarás a minha casa e guardarás os meus átrios…” (Zac 3:7 RA), os átrios dos céus é o lugar de onde o Senhor administra a justiça, e de onde a jurisdição do reino do reino de Deus, manifesta nos céus, pode ser aplicada aqui na terra.

“… e, como estes anjos que estão aqui, você terá o mesmo direito de estar na minha presença…”, ou seja, estar diante do trono, no céu. O Sumo Sacerdote tinha acesso para entrar na presença de Deus. Se nós formos capazes de administrar o Templo, e guardar os átrios, nós teremos acesso para permanecer na presença de Deus. É a diferença entre fumaça e fogo. Onde há fumaça, há fogo. A presença de Deus que experimentamos aqui na adoração é como a fumaça. Mas além da fumaça, há Deus em pessoa, que é o fogo. Esta passagem de Zacarias está descrevendo o protocolo que devemos seguir para sermos capazes de permanecer em pé no fogo.

Agora vamos voltar ao nosso Josué original:

21 A geração de Josué vai encorajar as pessoas a ouvirem diretamente a voz de Deus

Josué 3:9 Então Josué disse ao povo: — Venham cá e prestem atenção naquilo que o SENHOR, nosso Deus, vai dizer.

Para nós como indivíduos é importante entrarmos na presença do Senhor e ouvirmos o que Ele tem a nos dizer, e treinar outros a fazer o mesmo. Precisamos entrar diante do trono, ir aos átrios e administrar o templo. Minha intenção em fazer isso, e ensinar a você, e para que você tenha essa experiência.

Entrar no reino dos céus é para cada um de nós. Além disso, eu tenho um papel que é operar sinais milagres e maravilhas. Eu estou buscando isso para mim. Mas você, também precisa saber o que está escrito no seu pergaminho, e buscar isso para você. Cada um de nós precisa cumprir o que está escrito no pergaminho. Temos que encontrar nosso pergaminho nas regiões celestes, para que possamos ler, comer, colocar no nosso coração, e começar aplicar tudo que está nele.

22 A geração de Josué será honrada e respeitada pela próxima geração.

Haverá uma cultura de honra. Jesus disse, “Quem receber um profeta, porque este é profeta, terá uma parte da recompensa dele” (Mat 10:41). Temos que honrar os dons e o chamado das pessoas para que possamos receber a recompensa nas nossas vidas. Queremos honrar e receber um ao outro, por que cada um de nós têm um chamado e dons, sendo assim precisamos ajudar um ao outro a cumprir o chamado e exercitar os dons.

“Naquele dia o SENHOR fez com que o povo de Israel ficasse sabendo que Josué era um grande homem. E, durante a vida de Josué, eles o respeitaram assim como haviam respeitado a Moisés.” (Josué 4:14)

23 A geração de Josué irá libertar a próxima geração da culpa das gerações passadas e de suas consequências, para uma nova revelação sobre práticas antigas.

“A nação inteira ficou acampada até que sararam todos os que foram circuncidados. E o SENHOR disse a Josué: — Hoje eu tirei de vocês a vergonha de terem sido escravos no Egito. Foi por isso que chamaram aquele lugar de Gilgal. E este nome continua até hoje.  Os israelitas estavam acampados em Gilgal, na planície em volta da cidade de Jericó, e ali comemoraram a Páscoa na noite do dia catorze do primeiro mês.”(Josué 5:8-10)

Fizemos coisas para o reino de Deus e para igreja de acordo com o nível de revelação que tínhamos. Mas agora tudo está se movendo num nível mais alto.

Aqui eles celebraram a Páscoa e reinstituíram a circuncisão, que eles não fizeram no deserto. Eles se consagraram a Deus; o opróbrio do passado foi tirado, as pedras de tropeço removidas, a purificação e o refinamento aconteceram. Quando entramos num novo nível de revelação,  começamos a enxergar assuntos e coisas que antes eram familiares com um novo entendimento, a medida que o Senhor nos traz luz sobre aquilo.

24 A geração de Josué vai trabalhar junto com os anjos

Isto é algo que causa um monte de discussões sem necessidade entre os cristãos. Muitos dizem: “Por que precisamos dos anjos se eu já tenho o Espírito Santo?” Os anjos e o Espírito Santo são completamente diferentes. Os anjos têm um papel e um propósito diferentes do Espírito Santo. E na verdade, cada anjo tem uma função específica.

Por exemplo, em uma noite quando o Ian Clayton esteve aqui, ele derramou óleo de olíbano no chão, e o aroma encheu o lugar, então fui levado ao reino dos Céus e vi cobertura, e anjos grandes sendo liberados do trono. Eles tinham asas enormes, com penas que pareciam lâminas afiadas, parecia que eles iriam usá-las como armas. Eu sabia por instinto que eles eram anjos caçadores. Eles saíram para buscar uma colheita. Suas armas eram para cortar a cegueira dos olhos das pessoas, a cegueira que impedia as impediam de enxergar e responder a verdade. E Deus está liberando eles nesse momento. Eles eram diferentes da assembleia de anjos, dos anjos vigias, e outros anjos que vemos. Você percebe algo? Os anjos são descritos de acordo com sua função.

“Estando Josué ao pé de Jericó, levantou os olhos e olhou; eis que se achava em pé diante dele um homem que trazia na mão uma espada nua; chegou-se Josué a ele e disse-lhe: És tu dos nossos ou dos nossos adversários? Respondeu ele: Não; sou príncipe do exército do SENHOR e acabo de chegar. Então, Josué se prostrou com o rosto em terra, e o adorou, e disse-lhe: Que diz meu senhor ao seu servo? Respondeu o príncipe do exército do SENHOR a Josué: Descalça as sandálias dos pés, porque o lugar em que estás é santo. E fez Josué assim.” (Josué 5:13-15 RA)

Quando você lê “levantou os olhos”, quer dizer que ele estava olhando para os céus, e vendo em outra dimensão. Abraão também “levantou ele os olhos, olhou, e eis três homens de pé em frente dele”. (Gen 18:2 RA) e há outros exemplos desse “levantar os olhos” nas escrituras. Na passagem de Josué 5 o príncipe do exército do Senhor dá a Josué a estratégia que vai ajuda-lo a ser vitorioso e ter sucesso. Quando louvamos a Deus, os altos louvores liberam alguns desses anjos. Leia o salmo 149, e você verá mais sobre isso, e como nós executamos a sentença escrita e como exercer vingança contra o inimigo.

Nossa luta não é contra carne ou sangue. Estratégias terrenas não funcionam.

25 A geração de Josué ouvirá a Deus para receber estratégias de guerra

“O SENHOR Deus disse a Josué: — Olhe! Eu estou entregando a você a cidade de Jericó, o seu rei e os seus corajosos soldados. Agora você e os soldados israelitas marcharão em volta da cidade uma vez por dia, durante seis dias. Na frente da arca da aliança, irão sete sacerdotes, cada um levando uma corneta de chifre de carneiro. No sétimo dia você e os seus soldados marcharão sete vezes em volta da cidade, e os sacerdotes tocarão as cornetas. Quando eles derem um toque longo, todo o povo gritará bem alto, e então a muralha da cidade cairá. Aí cada um avançará diretamente para a cidade.” (Josué 6:2-5).

Quando Deus disse, “Olhe”, como Josué poderia ver aquilo, se ainda não tinha acontecido? A resposta é que Deus estava mostrando para ele nas regiões celestes o que iria acontecer. Da mesma forma como Jesus disse que via o que o Pai estava fazendo (João 5:19). Em que dimensão Jesus via o que Pai estava fazendo? O Espírito Santo mostrará as coisas que estão por vir, porque nós vemos  – e podemos entrar – em outra dimensão.

Novamente, quando essa passagem fala sobre uma cidade com seu rei e os seus corajosos soldados, podemos escolher entender como algo de uma dimensão terrena. Mas esse texto vai muito além, pois nas dimensões do céu, há também montanhas, governadores e reis. Na verdade, o que acontece na terra é um reflexo do que acontece no céu. Sendo assim, precisamos lidar com essas montanhas, governadores e reis nas dimensões do espírito para que possamos tratar com a representação deles aqui na terra. Como havia escrito antes, esta provavelmente é a razão histórica pela qual temos tido tanta dificuldade em prevalecer na dimensão terrena, não temos ido às dimensões celestiais primeiro. Temos que vencer nas regiões celestes primeiro, para que possamos prevalecer na terra.

Assim como Jesus, também precisamos ver o quê o Pai está fazendo, para trazer para terra. Se foi dessa maneira que Jesus exerceu seu ministério e operou milagres (e Ele nos disse que sim), então certamente é como devemos fazer também. Jesus vivia constantemente em duas dimensões, num relacionamento com o Pai.

A estratégia que Deus deu para tomar Jericó foi bem clara e detalhada. As instruções que Josué recebeu nas dimensões dos céus, tinham que ser executadas na terra. Precisamos aprender a fazer o mesmo todos os dias, e todo tempo.

Isso é o que significa viver em duas dimensões, ver o que o Pai está fazendo, e estar constantemente conectado.

E é assim que o céu é trazido para terra.

Outros artigos de Freedom ARC

Artigo original (em Inglês)


	

81. Suba aqui – Trazendo os Ceús para Terra

Mike Parsons

Nos últimos posts nós vimos as primeiras 20 características da geração de Josué. Antes de prosseguirmos nessa aventura e vermos as próximas 20, nesta semana quero explorar algo que eu tinha dado apenas uma pincelada.

A geração de Moisés

Você se lembra como a geração de Moisés falhou para entrar na terra? Eles saíram do Egito, mas ficaram andando em círculos ao invés de entrar na Terra Prometida, o porquê está registrado nas escrituras para que possamos aprender, e servir de exemplo.

Irmãos, eu quero que vocês lembrem do que aconteceu com os nossos antepassados que seguiram Moisés. Todos foram protegidos pela nuvem e passaram pelo mar Vermelho.Como seguidores de Moisés, eles foram batizados na nuvem e no mar.Todos comeram da mesma comida espiritual e beberam da mesma bebida espiritual. Pois bebiam daquela rocha espiritual que ia com eles; e a rocha era Cristo. Mas Deus não ficou contente com a maioria deles, e por isso eles morreram, e os seus corpos ficaram espalhados no deserto.

Tudo isso aconteceu a fim de nos servir de exemplo, para nós não querermos coisas más como eles quiseram, nem adorarmos ídolos, como alguns deles adoraram. Como dizem as Escrituras Sagradas: “o povo sentou-se para come e beber e se levantou para se divertir.” Não devemos cometer imoralidade sexual, como alguns deles fizeram. E, porque eles fizeram isso, vinte e três mil deles caíram mortos num dia só.Não devemos pôr à prova a paciência de Cristo, como alguns deles fizeram, e por isso foram mortos pelas cobras.Vocês não devem se queixar, como fizeram alguns deles, e por isso foram destruídos pelo Anjo da Morte. Tudo isso aconteceu com os nossos antepassados a fim de servir de exemplo para os outros, e aquelas coisas foram escritas a fim de servirem de aviso para nós. Pois estamos vivendo no fim dos tempos. (1 Cor 10:1-11).

Um bilhão de trabalhadores

A geração de Moisés não entrou na Terra por causa do que eles viram que teriam que enfrentar: gigantes. E quanto a nós, entraremos na nossa Terra Prometida? A geração de Josué vai equipar uma colheita de um bilhão de trabalhadores no sobrenatural para que o céu seja trazido na terra. Tais trabalhadores serão os ceifeiros que irão fazer a última colheita no fim dos tempos. A batalha contra as trevas vai se tornar cada vez mais intensa, por isso será necessário um número tão grande de trabalhadores, mas quando a luz resplandece em meio às trevas, as trevas são dissipadas. Esses ceifeiros são a geração de Jesus, aqueles que verão o retorno Dele.

Alguns daqueles que estão lendo isso serão da geração de Josué, e alguns serão da geração de Jesus. Espero que nenhum dos que estão lendo isto seja da geração de Moisés – eu não quero que você fique no deserto.

Assim na terra como no céu

Aqui estamos nós. Deus está manifestando Seus propósitos, e o fim dos tempos está chegando. Precisamos de revelação do Senhor se nós quisermos ver como as coisas são no céu para podermos trazê-las para terra. Isso é o que significa quando você ora “assim na terra como no céu”. Cabe a nós trazermos os céus para terra.

A geração de Josué será uma geração de precursores que espiaram a terra. Talvez o que nós não tenhamos compreendido plenamente é que isso não se trata apenas de coisas terrenas, para operarmos na plenitude do reino, precisamos operar tanto na terra quanto no céu. Parte da tarefa de espiar será feita na atmosfera terrena, e outra parte será feita no reino dos céus.

O Senhor ofereceu à geração de Moisés a terra prometida, mas a vasta maioria deles disse “Não podemos entrar”. No início da jornada para terra prometida, Deus queria que todo o povo de Israel se encontrasse com Ele no topo da montanha, mas eles tiveram medo dos relâmpagos, do fogo e da fumaça, então disseram para Moisés, “Você vai, e nos diga o que Deus fala”. Nós não podemos ir.

Hoje da mesma forma Deus oferece a todos nós acesso as regiões celestiais, porque Jesus abriu o caminho para nós, quando o véu foi rasgado no momento de Sua morte. O propósito do Senhor é que cada um de nós possamos experimentar tudo o que Ele tem para nós. No entanto há muitos que estão como o povo de Israel dizendo “Nós não podemos ir”.

Responsabilidade

O reino de Deus está relacionado com governo, autoridade e domínio. O Senhor quer que nós aprendamos a governar nossas vidas, e a governar no reino espiritual para que possamos trazer céu na terra. Além disso, precisamos aprender a liderar e equipar a geração de Jesus para possuir a terra prometida. A palavra hebraica para “possuir” significa “herdar através de domínio, desapropriação e se tornar herdeiro”. Nós fomos feitos como seres espirituais, para acessar o reino dos céus. Adão quando foi criado, tinha acesso ao reino espiritual. Não havia nada para impedi-lo. Somente o pecado o fez perder o acesso. A glória em que ele estava revestido foi removida, ou seja, é como se uma “conexão de internet banda larga” de revelação fosse tirada dele, sendo assim ele não poderia ver coisas que exigissem uma conexão melhor – o reino dos céus.

Algo importante que precisamos entender é que tudo a respeito do reino de Deus tem um começo e um fim, mas o começo e o fim são sempre os mesmos. O pensamento hebraico é sempre circular, não é linear como o pensamento grego. O pensamento linear apresenta o céu em camadas – primeiro céu, segundo céu e terceiro céu – mas o céu não é assim. Pode ter sido mais fácil para a mente ocidental raciocinar assim, mas é um erro. O céu não tem camadas, tem dimensões de autoridade. Quando lemos sobre o terceiro céu nas cartas de Paulo logo imaginamos que se há um terceiro céu, então certamente há o primeiro céu e o segundo. Todavia, o pensamento hebraico não quer dizer isso.

Para que o reino Deus venha na terra como é o no céu, teremos que cumprir o mandato de Adão, ou seja, exercer domínio no reino espiritual e em consequência disso influenciar o reino natural ou mundo físico. Quando cumprirmos esse mandato, veremos a glória do Senhor encher a terra (Num 14:21).

Nós temos que ter a experiência de operar no reino dos céus, se quisermos que outras pessoas experimentem isso. Deus está fazendo isso no meio do Seu povo agora mesmo. O Senhor está trazendo revelação, para que possamos ter acesso ao reino espiritual, e sendo assim operarmos em dois reinos, o terreno e o celestial. Precisamos aprender governar no reino dos céus, e então trazer aquilo que foi liberado no céu para terra.

Exerça autoridade

Antes que possamos governar na terra, nós precisamos exercer autoridade nas regiões celestiais.

Nós temos que subir e descer descer (subir ao Céu para obter autoridade e descer para terra para exercê-la), antes de seguir adiante. O problema é que temos tentado trazer os céus enquanto permanecemos ainda na terra. Essa é a razão pela qual temos sofrido tanta retaliação do inimigo, estamos tentando lutar contra os principados e potestades usando a dimensão terrena de autoridade que temos aqui. Precisamos buscar a autoridade celestial para derrotá-los. Esta é uma dimensão diferente de autoridade. Para exercermos autoridade celestial, temos subir aos céus e trazê-la para a terra conosco.

Na ilha de Patmos, em espírito, João ouviu uma voz dizendo “Suba aqui” (Ap 4.1). Essa mesma voz está falando conosco hoje. Você está ouvindo?

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)

Este artículo también se encuentra disponible en Español

Trilha Sonora: Jesus Culture – Come Away legendado Inglês e Português (YouTube)