O Coração, o Sangue e o Cérebro

Mike Parsons 
com Jeremy Westcott – 

Nosso destino foi determinado por Deus antes de nascermos. Mas nossa alma e nosso corpo crescem ao redor do nosso rolo do destino, e assim ele se perde, e fica incapaz de ser reconhecido. Nossa carne é programada pelo que herdamos naturalmente de nossos pais, e pelo meio em que vive.

Hoje, nosso coração carrega o registro do nosso passado. Todas as experiências e características herdadas que moldam nossa maneira de pensar acerca de nós mesmos são carregadas em nosso coração. Se estamos permitindo isso nos afetar agora, precisamos nos livrar disso, e ver nosso coração curado, perdoado, restaurado e transformado.

Porque, como imaginou no seu coração, assim é ele (Prov 23:7).

A forma como pensamos acerca de nós mesmos é que determinará como vivemos. Sendo assim quando permitimos que Deus purifique nosso coração, a fim de que pensemos sobre nós da maneira que Ele pensa, nossa maneira de viver é transformada.

O coração programa o sangue, e o sangue vai para o cérebro, e programa nosso pensamento.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)
Anúncios

Desenvolvendo Nossos Sentidos Espirituais

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

Primeiro o natural…

Nossos sentidos naturais levam algum tempo para desenvolver. Ouvir é a primeira função, e sabemos que bebes podem ouvir sons até no útero. O nervo auditivo está conectado a cada órgão do corpo com exceção do baço, e continua a funcionar por algum tempo mesmo depois da morte. Mas nós só começamos a entender o que estamos ouvindo com constante repetição e prática.

Nossa visão espiritual também melhora gradualmente. Quando vejo você, o que na verdade acontece é que luz está sendo refletida de você e entra em meus olhos. Isso projeta uma imagem de cabeça para baixo na parte de trás da minha retina, e meu cérebro interpreta essa imagem como ‘você’.

Mas quando somos recém-nascidos, nossa visão é bem limitada, ou seja, enxergamos apenas o suficiente para reconhecer o rosto de nossa mãe. Após os seis meses ou mais, nossa visão vai melhorando gradativamente até enxergarmos plenamente. Isso nos dá tempo para processar quantidades imensas de informação, e gradualmente o que está ao nosso redor, a dimensão natural em que vivemos, faz sentido.

…então o espiritual

Para a maioria de nós, esta não tem sido nossa experiência com nossos sentidos espirituais. Talvez nós tenhamos nos tornado conscientes das coisas espirituais, mas quase ninguém na igreja ensina como experimenta-las, por isso não demos aos nossos sentidos espirituais a chance de desenvolver.

Quando nascemos de novo, provavelmente continuamos a viver a maior parte do tempo no mundo natural, experimentando algumas vezes um pouco do espiritual, geralmente quando estamos naqueles períodos maravilhosos de adoração, ou quando uma pregação mexe conosco. Mas a consciência espiritual não é apenas para ocasiões especiais, e nem precisa estar sujeita ao que acontece ao nosso redor.

Nós podemos aprender a interagir com a dimensão espiritual da mesma forma que aprendemos a interagir com a natural. Vamos deixar que nossos sentidos espirituais se desenvolvam com repetição e prática, assim como aconteceu com nossos sentidos naturais. Entre, e saia, da dimensão do céu. Então, pouco a pouco, iremos começar a compreender o que se passa ao nosso redor, a dimensão espiritual na qual também vivemos.

Nós podemos fazer isso. Deus quer que vivamos em duas dimensões, no céu e na terra ao mesmo tempo, da mesma maneira que Jesus viveu. Ele deseja que manifestemos poder e autoridade como seres espirituais que realmente somos, e que manifestemos nosso destino nesse mundo.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Concordância, Ressonância e Harmonia

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

O registro de quem você é

Quando você foi concebido, foi porque dentre cerca de 30 milhões de espermatozoides, apenas um conseguiu fertilizar um óvulo com sucesso. Naquele momento você já mostrou que tem um destino, dado por Deus a você. Você é um vencedor, pelo simples fato de ter nascido.

Nesse momento da concepção, aparentemente há uma explosão de luz. Cientistas não sabem o que é, mas eu vou te dizer: é o seu espírito entrando. A luz e seu rolo do destino irrompem sobre aquele óvulo fertilizado.

Esta primeira célula carrega o registro de 23+23 cromossomos, o registro de DNA da história de seus pais, da aparência deles, e de suas experiências. Mas também carrega o registro do nosso destino eterno, quando seu espírito entra naquilo que vai se tornar seu corpo físico. A ‘substância’ que havia antes (Sl 139) agora se torna a substância da sua vida.

Suas células começam a se multiplicar até que haja cerca de 10 a 15 delas. Então a primeira célula, a que contém aquele registro, implode e se torna seu coração. E seu coração carrega o registro de quem você é.

O coração que pensa

Porque, como imaginou no seu coração, assim é ele. (Prov 23:7 acf).

Estudos em pessoas com coração transplantado mostram que os pacientes relataram mudanças surpreendentes em seus hábitos e personalidade, fazendo com que eles se tornem semelhantes ao doador original. Com certeza, o coração é muito mais do que um órgão que bombeia sangue no nosso corpo.

O coração pensa. Cientistas descobriram que eles podem detectar pensamentos do cérebro como impulsos elétricos a uma distância de até de 30 cm da cabeça. Há impulsos elétricos similares que vêm do coração, mas que podem ser detectados a cerca de 2 metros de distância.

O coração é um órgão que pensa. A luz dessa escritura, podemos ver o quão importante é como o nosso coração pensa. De um lado, há o registro de DNA, das nossas gerações passadas; do outro, o registro do nosso DNA espiritual, da eternidade. Qual deles iremos ouvir? Com qual deles vamos concordar? Com qual deles vamos vibrar e ressoar? Isso irá determinar quem nos tornaremos, se nos seremos quem Deus nos criou para ser.

Agrada-me

Então, eu disse: eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito; agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração, está a tua lei. (Salmo 40:7-8).

Esta passagem está falando sobre o rolo do destino de Jesus. Tudo o que Ele estava destinado a fazer e a se tornar foi escrito no Seu coração, e Ele se deleitou em fazer tudo. Cumprir o chamado e o destino de Deus não é algo penoso, ou estranho para nós, na verdade, é um prazer.

A canção do nosso DNA

Animation of the structure of a section of DNA...
Animação de uma seção da estrutura do DNA (Crédito da foto: Wikipedia)

Nossos corpos têm uma frequência em que eles vibram. Nós carregamos uma canção (duas na verdade). Há um lugar na América onde você pode enviar uma amostra do seu DNA e eles têm um software que irá transformá-la em melodia. Infelizmente, é uma canção criada no caos. Nós fomos formados em pecado e moldados em iniquidade (Sl 51:5), por isso essa canção não reflete a canção do DNA de Deus que nossos corpos também carregam.

Nosso DNA natural vibra de acordo com o caos em que foi criado; nossos rolos vibram de acordo com o destino que Deus nos deu. Com o quê vamos nos alinhar? Tal escolha é que vai determinar quem nós somos, ou quem nos tornamos, o que faremos amanhã, e onde  vamos acabar eternamente. Precisamos entrar em harmonia – fé – concordância (o que você deseja) – com quem você é, e o que Deus diz sobre nós. Isso irá transformar como vivemos, como pensamos, o que acreditamos e como agimos. E consequentemente transformará o mundo.

Cada um de nós é chamado para governar, para exercer autoridade, e para trazer os céus para terra, a fim de transformar o mundo ao nosso redor, e assim alinhá-lo com o eterno propósito de Deus. Se fizermos como Deus diz, ou seja, lidamos com as questões do nosso passado ou presente, perdoamos e liberamos pessoas de qualquer dívida, e ressoamos com a verdade que Deus diz ao nosso respeito, estamos no caminho certo para cumprir nosso destino. Se guardarmos feridas ou dores, trazemos desunião e divisão, e permitimos o inimigo roubar nosso destino.

Dando um tempo?

Hoje, há milhares de pessoas, talvez milhões, que saíram de nossas igrejas, que foram roubadas do destino delas por ouvir o lixo que o inimigo despejou sobre elas. Tais pessoas vivem com mágoa por causa do que a igreja, ou pessoas que fazem parte dela, fizeram para elas, pois somos falhos.

Nós devemos ter cuidado para não ir por esse caminho, dizendo “Eu só estou dando um tempo”. Não podemos parar de buscar a Deus, nem dar um tempo no nosso relacionamento com Ele ou com Seu povo. Precisamos vencer a nós mesmos, perdoar, e seguir adiante nos propósitos de Deus, com o coração aberto para ouvir, vibrar e ressoar de acordo com a verdade do nosso destino em Deus. Além disso, precisamos nos levantar e chamar de volta aqueles que um dia deram seu coração para o Senhor, mas hoje estão vivendo fora dos propósitos Dele. Temos que chamá-los de volta ao destino deles.

Deus tem planos para nós, ‘Só eu conheço os planos que tenho para vocês: prosperidade e não desgraça e um futuro cheio de esperança. Sou eu, o SENHOR, quem está falando.’ (Jer 29:11).

Não seremos roubados. Não ouviremos as mentiras do nosso passado.  Ouviremos e entraremos em harmonia com a eternidade passada, e mudaremos nosso futuro.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Questões do Destino

Mike Parsons
com Jeremy Westcott – 

Deus está fazendo algo muito emocionante na terra hoje: Ele está nos dando revelação de como entrar nas dimensões celestes. Ele está nos mostrando como nós podemos escolher a nos focar no Reino da Luz ao invés de focar no reino que está em trevas. Ele está nos encorajando a acessamos o que encontramos no reino dos céus – Sua presença, Seu poder, e todos os recursos do céu – e a manifestar essas coisas aqui na terra. Essa sempre foi a vontade Dele:

Venha o Teu reino
Seja feita Sua vontade
Assim na terra como no céu.

Há algumas chaves para conseguirmos fazer isso:

No último post, vimos como espíritos familiares procuram nos roubar de nosso destino. Se você ler ‘As cartas do inferno’ de C.S. Lewis, você vai entender rápido como os demônios planejam e trabalham para destruir nossas vidas. Mas nós vamos lutar contra os espíritos familiares. Vamos nos levantar e enfrenta-los, para que cada um de nós possa cumprir nosso destino.

Destino

Destino é algo que realmente mexe comigo, pois Deus me chamou para trazer a tona os destinos das pessoas. Todos nós temos um rolo do destino, que nos dá autoridade para governar nossas próprias vidas. O destino de cada pessoa é único. Para cada um de nós há certas palavras – ou visões ou sons, ou até mesmo cheiros, sensações ou experiências – que irão tocar, e testificar em nosso espírito, porque estão ligadas ao nosso destino.

Quando fui batizado no Espírito Santo, Deus derramou uma palavra em meu coração: reavivamento. Naquele tempo, eu nem sabia o que significava aquilo, mas testificou em mim, e ficou gravado no meu coração. Desde então, palavras como ‘restauração’, ‘renovação’, ou ‘reforma’ têm causado o mesmo efeito em mim: elas vibram no mais profundo do meu interior, e me agitam. E há coisas que começarão a te agitar também, pois estão ligadas com aquilo que Deus escreveu sobre você em seu rolo.

Para cada um de nós há pelo menos sete esferas de domínio, ou tronos, para governar em nossas próprias vidas, mas nós podemos, também, ser chamados para maiores níveis de autoridade. Todos nós precisamos ver onde estão nossos tronos, o que fomos chamados para fazer, e lidar com tudo aquilo que nos impede de cumprir nosso destino.

Atos proféticos

De uns anos para cá, tenho sido levado a fazer alguns atos proféticos com pessoas ou grupos quando estou ministrando para eles, atos que trarão a tona o destino e lugar de autoridade deles.

Eu coloquei coroas do destino na cabeça das pessoas; coloquei nossa bandeira de arco-íris em alguns como um manto, dando a eles unção de autoridade. Para outros dei cetros de autoridade – e é assim que Deus identificou aqueles que se tornariam parte de nossa liderança, apesar de eu não saber na época. No meu escritório, na parede, tenho uma espada grande que Deus me disse para eu obter. Geralmente uso essa espada para chamar a existência o destino das pessoas. Quando Lindy Strong veio aqui em 2014, ela fez algo parecido, convidou as pessoas para pegarem a espada, e profetizou sobre eles. Também dei para outras pessoas armas e objetos específicos, tais como machados, bastões, esferas e etc.

Tais coisas são muito mais do que um símbolo do que está acontecendo da dimensão espiritual. Não fazemos nada simbolicamente, mas sim profeticamente. Carregamos ou balançamos bandeiras de cores específicas, de modo específico. Marchamos ao redor do nosso prédio e ao redor da nossa pegada, como Deus direcionou. Esses atos proféticos movem algo na dimensão espiritual, abrindo coisas na dimensão dos céus para nós. Quando obedecemos fazendo um ato profético, isso se junta a alguma coisa no céu, e faz algo acontecer aqui na terra.

Temos que ser obedientes, pois não sabemos que portas eles vão abrir. Se você conhecer meu passado, saberá que não sou naturalmente inclinado a fazer esse tipo de coisas, mas eu sei que são eficientes quando Deus me direciona a fazê-las, então preciso ser obediente. E isso vale para todos nós.

‘Quem sou eu?’

Algumas da perguntas que as pessoas fazem quando se fala sobre destino são: ‘Quem sou eu?’, ‘De onde eu vim?’. Essas perguntas são boas. Precisamos saber de onde viemos, para que possamos entender porque estamos aqui hoje. Isso nos levará para onde iremos amanhã. Nosso destino se realiza assim, um dia de cada vez: ontem, hoje, amanhã.

Precisamos entender a natureza do nosso criador, e nossa criação. ‘Quem me criou?’, ‘Por que e como Ele me criou?’. Todas essas perguntas nos ajudarão a entender nosso destino.

Deus é eterno. Parece bem óbvio dizer isso, mas é importante compreender isso. Ele sempre foi, Ele é, e sempre será (Ap 1:8). Ele é onipotente, isto é, todo poderoso. Ele é luz (1 Jo 1:5). Ele é amor (1Jo 4:16). Ele é espírito (Jo 4:24).

Se meditarmos nessas escrituras, e outras semelhantes, começaremos a entender quem é Deus. E se conhecermos ao Senhor, e tivermos um relacionamento íntimo com Ele, isso nos ajudará a entender que nós somos.

‘Eu te conheci’

Aqui está um versículo chave sobre quem somos.

“Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta” (Jer 1:5).

Aqui Deus está falando com Jeremias, mas Ele também está falando com cada um de nós. Ele conheceu a mim e você, antes Dele te formar no ventre. Conhecer é algo muito íntimo. Deus não tinha simples uma ideia vaga sobre você. Antes que você viesse a existir, antes que você estivesse no útero, Deus já te conhecia. E como intimidade é tem duas vias, na verdade, você O conheceu também.

Ele consagrou você. Ele te separou. Ele tinha um propósito para sua vida que Ele e você conheciam, antes que você fosse formado. Isso faz parte do seu ser. Ele designou cada um de nós para um papel único, para uma tarefa, ou posição. Jeremias foi destinado a ser um profeta as nações. Para o que você foi designado? O que Ele te chamou para fazer? Quem Ele te chamou para ser?

A boa notícia é que você pode saber. Deus te conhecia, mesmo antes que seu corpo físico fosse formado, e Ele quer que você saiba.

Você pode perguntar a Ele, e Ele revelará a você.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Portais Eternos

Mike Parsons
e Jeremy Westcott 

Entre os céus e a terra estão os portais eternos. Estes são os portais que estavam abertos quando Adão foi criado, para que ele pudesse manifestar a glória de Deus. A terra ainda tem a memória residual de quando eles estavam abertos – o padrão em grade das linhas de Ley, cujo poder é reconhecido por pessoas da Nova Era e por aquelas que praticam o oculto. Mas é apenas uma memória – agora esses portais estão guardados e bloqueados por espíritos territoriais na atmosfera da terra. Nós os encontramos no salmo 24, (e nós sempre cantamos uma canção baseada nessa passagem):

Erguei, ó portas, as vossas cabeças;
Levantai-vos, ó portas antigas;
E entrará o Rei da glória.

Quem é o Rei da glória?
 Jeová forte e poderoso, Jeová poderoso na batalha.

Erguei, ó portas, as vossas cabeças;
 Sim erguei-as, ó portas antigas;
E entrará o Rei da glória.

Quem é esse Rei da glória?
Jeová dos exércitos, Ele é o Rei da glória. (Selá)
(Salmo 24:7-10 SBB).

A Glória de Deus

‘Para que entre o Rei da Glória.’ O Rei da Glória entrará por esses portais, Ele virá das dimensões dos céus para essa dimensão, trazendo consigo a Glória de Deus. Isso acontece de tempos em tempos, e geralmente chamamos de reavivamento, transformação, despertar. Tudo isso são manifestações do poder de Deus e a presença Dele através dos anjos que vem por essas portas.

Nós somos as portas

Quem é o Rei da Glória? O Senhor, forte e poderoso, o Senhor, poderoso nas batalhas. Coisas começam acontecer quando levantamos nossas cabeças, como portais. Entendemos que cada um de nós é um portal para a manifestação da presença de Deus, um portal entre o céu e a terra.

Agora nós sabemos que temos que pensar com uma mentalidade hebraica e não grega, ou seja, observar a função e não a forma. Sua cabeça é o lugar de governo e autoridade. A função da cabeça é governar, sendo assim, erguer é governar de um nível maior. Uma vez que começamos erguer nosso governo para um nível mais elevado, então os portais eternos são levantados e a glória de Deus é manifesta.

Deus está na porta

Nos salmos, muitas vezes frases são repetidas, mas com mudanças sutis. Vemos isso no verso 9, que diz, ‘Sim erguei-as, ó portas antigas’.Uma vez que você foi erguido a uma dimensão celeste, o portal está aberto, Deus vem e fica na porta. Daqui a pouco vou te mostrar isso nas escrituras. Quando o Senhor vem e fica no portal eterno, toda aquela dimensão ergue o portal para um novo nível, pois Ele capacita as coisas a entrarem em um nível maior de autoridade no Reino de Deus.

Senhor dos Exércitos de Anjos

Quem é o Rei da Glória? Jeová dos exércitos, Ele é o Rei da glória.’ Agora temos um nome. Antes, tínhamos o que Ele fez, mas agora temos Seu Nome. Você entende o que significa o nome Senhor dos Exércitos? Significa ‘Senhor dos Exércitos de Anjos’. Quando começamos a operar nas cortes celestiais, o Senhor dos Exércitos de Anjos libera os seres angelicais para agirem no nosso meio. Alguns de nós conhecemos isso na prática. Na verdade, cada vez mais pessoas estão começando ver anjos, e experimentando a realidade da atividade angelical, e reconhecendo o que está acontecendo nessas dimensões. Ele é o Rei da Glória, e nesses dias o Rei da Glória vai se manifestar através dos anjos.

O sonho de Jacó

Onde nas escrituras vemos Deus no portão? Gênesis 28:12-15 fala sobre Jacó.

Então sonhou: estava posta sobre a terra uma escada, cujo topo chegava ao céu; e eis que os anjos de Deus subiam e desciam por ela; por cima dela estava o Senhor, que disse: Eu sou o Senhor, o Deus de Abraão teu pai, e o Deus de Isaque; esta terra em que estás deitado, eu a darei a ti e à tua descendência;
e a tua descendência será como o pó da terra; dilatar-te-ás para o ocidente, para o oriente, para o norte e para o sul; por meio de ti e da tua descendência serão benditas todas as famílias da terra.

Eis que estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei tornar a esta terra; pois não te deixarei até que haja cumprido aquilo de que te tenho falado.

Eu me encontrei com Jacó nas dimensões celestiais – ele foi o primeiro da ‘nuvem de testemunhas’ que conheci, um dos homens vestidos de linho fino, de gerações passadas, que estão lá para nos ajudar. Ele me falou sobre essa passagem e me disse para estudá-la e para entender como aquilo funciona. Então tenho observado sua experiência e sua vida (e conversado com ele sobre isso).

Aquela escada foi colocada aqui na terra, não no céu. Seu topo chega ao céu, o que significa que temos acesso aqui para entrar lá. Nessa passagem diz primeiro que os anjos ‘subiam’, isso significa que eles já estavam aqui. Eles estavam subindo, e voltavam trazendo o reino e a revelação da glória de Deus com eles. E é aqui que vemos o Senhor na porta: ‘por cima dela estava o Senhor’( v13) – Ele estava no topo da escada, e prometeu estar com Jacó e guardá-lo – o Rei da Glória começou a manifestar Sua presença.

Betel, a casa de Deus

E temeu, e disse: Quão terrível é este lugar! Este não é outro lugar senão a casa de Deus; e esta é a porta dos céus. (Gênesis 28:17 RIB)

Agora cada um de nós, como individuo, é a casa de Deus, porque Ele habita em nós. Também somos um portal do céu, e precisamos ser erguidos como um portal nas dimensões celestiais para manifestar a glória de Deus.

Deus disse a Jacó: —Apronte-se, vá para Betel e fique morando lá. Em Betel construa um altar e o dedique a mim, o Deus que lhe apareceu quando você estava fugindo do seu irmão Esaú. Então Jacó disse à sua família e a todos os que estavam com ele: —Joguem fora todas as imagens dos deuses estrangeiros que vocês têm. Purifiquem-se e vistam roupas limpas. (Gen 35:1-2)

Jacó chamou aquele lugar de Betel, que quer dizer ‘casa de Deus’, e Deus disse para ele ir morar lá. Nós temos que viver onde nós somos casa de Deus e onde nós somos a manifestação do portal do céu. ‘Construa um altar’, um lugar de sacrifício. ‘Joguem fora todas as imagens dos deuses estrangeiros que vocês têm. Purifiquem-se e vistam roupas limpas’ – essa é uma descrição do que está acontecendo conosco agora no Calendário Profético de Deus.

Está acontecendo um sacrifício, uma purificação, remoção de ídolos e uma troca de roupas. E pode ser um processo dolorido.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Atribuição de imagem: Detail from Jacob’s Dream [O sonho de Jacó] by William Blake (c. 1805, British Museum) – William Blake Archive, Public Domain, https://commons.wikimedia.org/w/index.php?curid=1869973

Sete Montes, Sete Tronos

Este diagrama é uma representação das dimensões do céu que temos explorado.

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

Provavelmente você já ouviu pessoas falando sobre o primeiro, o segundo e o terceiro céus. No passado, isso pode ter nos ajudado a entender de onde somos, e como podemos interagir com o céu, mas esse ensino, na verdade, era muito superficial e falho. Com nossa mentalidade grega (ao invés de hebraica), nós assumimos que teríamos que ir para o segundo céu, para poder chegar ao terceiro, o que não é bem assim. Ao invés de pisos ou andares, como em um prédio, há reinos, ou dimensões. Anteriormente falamos sobre sete dimensões, três na terra, a atmosfera da terra, e três nos céus.

Sete dimensões

Olhando no diagrama acima, nós vivemos aqui no Reino da Terra, onde podemos experimentar a Presença de Deus. Nós estamos também conscientes da atmosfera da terra – lembre-se que Satanás foi chamado de ‘o príncipe da potestade do ar’. Há, de fato, três esferas de influência na atmosfera da terra: poderes, potestades e principados. Essas esferas foram criadas por Deus, mas nesse momento estão ocupados pelas forças do mal. Até agora, eles tem tido um sucesso razoável bloqueando o fluir da glória de Deus de chegar até nós através dos Portais Eternos (vamos falar sobre esses Portais no próximo post).

Ao entrar nas dimensões dos céus, vemos o Reino de Deus, o lugar do governo de Deus. Anjos caídos e forças demoníacas ainda tem acesso lá, mas não tem acesso ao Reino dos Céus. O Reino de Deus é onde está a corte, na qual Satanás acusa os irmãos. Mas Satanás e seus anjos só tem acesso a esse lugar. Eles não podem ir ao Reino dos Céus, nem ao Reino da habitação de Deus – mas nós podemos, pois é onde estamos assentados com Cristo em autoridade. E como você pode ver no diagrama, há outras dimensões além dessas.

Embaixo da terra também há três dimensões. Todas elas foram criadas por Deus, mas agora estão ocupadas pelos anjos caídos: Sheol é o lugar de morte; Tártaro é o lugar onde os ‘anjos que não permaneceram em seu devido lugar’ estão acorrentados; e o covil de Satanás. Há outros lugares aqui embaixo também, tal como a sala do troféu de Satanás, sobre a qual já escrevemos antes.

A intenção de Deus é que tomemos de volta todas essas dimensões que estão ocupadas pelo inimigo. Mas não é para enfrentarmos os anjos caídos – há o dobro de número de anjos de Deus do nosso lado que irão fazer isso por nós, se aprendermos a interagir com eles. Nosso papel é tomarmos nossos mantos e operarmos na autoridade que Deus nos chamou para exercer.

Sete montes, sete tronos

Nos lugares celestiais há montes, e tronos sobre esses montes. Isso quer dizer, há lugares de autoridade, e assentos de governo. Junto a esses montes e tronos há rolos: decretos, mandatos e recursos que podemos recorrer. A igreja Freedom tem sete montes e sete tronos. Esses tronos não estavam desocupados – gigantes estavam sentados neles, e tiveram que ser tirados de lá. De fato cada igreja (grupo específico de crentes) tem seus próprios montes e tronos relacionados ao seu chamado e propósito de Deus, sendo assim cada igreja, precisa de matadores de gigantes.

E todos de nós, como indivíduos, temos sete tronos, que precisamos ir e ocupar. Família, mercado de trabalho, dons, chamado, ministério, e etc. Há muitos tronos que podemos ter, e só poderemos descobrir quais são através de revelação, ou seja, Deus nos mostrando. Lembre-se, se não estamos sentados nele, outra coisa está, a qual terá que ser confrontada e destronada. Não é difícil matar um gigante, mas exige esforço: precisaremos fortalecer nossos músculos espirituais. Se o trono é seu por direito, você pode destronar o gigante e ocupá-lo. Mas você precisa de autoridade para governar lá – você não pode simplesmente ir e tomar o monte e o trono para outra pessoa.

Eu sei que tudo isso pode parecer um tanto estranho, um pouco de Senhor dos Anéis, mas na verdade Tolkien entendia algumas dessas coisas. Gigantes, dragões – você tem que cortar a cabeça deles, abrir suas barrigas, e tomar o despojo.

Um tipo diferente de autoridade

Com toda essa conversa sobre governo e autoridade, por favor, entenda, não estamos sendo arrogantes. No reino, os últimos serão os primeiros e os primeiros serão os últimos. O senhor será servo de todos. Não queremos governar para fazermos pessoas de servas. É um tipo diferente de autoridade. Temos que apoiar as pessoas, servi-las, ajuda-las a descobrir seus dons e os mandatos que Deus deu a elas, para levar essas pessoas onde estamos e além. A Geração de Josué é assim.

O céu para terra

A verdade nua e crua é que se temos que trazer o céu para terra, como dissemos antes, precisamos acessar o céu. Assim como Jesus fez. Ele trouxe o céu para terra na forma de milagres, libertação, cura, salvação, transformação, sinais e maravilhas – e Ele fez isso porque operava em duas dimensões (olhe o verbo estar em João 3:13, está no presente).

No reino de Deus há montes com níveis mais altos, e dragões que ocupam esses tronos. Eu já estive lá, lutei com dragões, mas não consigo fazer tudo isso sozinho. Ninguém consegue. Até agora só vi apenas algumas pessoas lá, mas chegou a hora de todos nós subirmos e começarmos a ocupar os lugares de autoridade que Deus nos deu.

Há ainda montes e tronos muito mais altos na dimensão do Reino dos Céus (e ainda um nível muito maior de autoridade e governo).

Na verdade os montes representam nossa posição governamental de autoridade, nós somos montes. Quando nós ocupamos o monte principal, nossa posição de governo, podemos governar todos os outros montes de lá.

Chegou a hora de todos nós assumirmos nosso papel como senhores, reis e filhos que fomos chamados para ser.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)

Aqueles que trazem a imagem do celestial

Mike Parsons
com Jeremy Westcott

Fogo refinando e purificando

Já faz algum tempo que a igreja está naquele ponto no Calendário Profético de Deus que é caracterizado pela vinda do fogo, refinando e purificando, recolhendo e tirando as pedras de tropeço da igreja e das nossas vidas. Não é um tempo fácil. Essas pedras de tropeço podem ser ídolos, ou outras coisas – até mesmo pessoas – que estão impedindo o fluir do reino de Deus. Os anjos da colheita estão aqui, para ver se realmente desejamos abrir nossos corações, permitindo que eles removam essas pedras das nossas vidas. Podemos escolher se iremos cooperar ou não: mas será menos dolorido se cooperarmos.

O surgimento da Geração de Josué

Este é um tempo em que a Geração de Josué será levantada, um povo com um espírito diferente, uma geração de pessoas que irão possuir a terra e levar outra geração com eles. Josué e Calebe levaram uma geração inteira para uma terra física e geográfica, mas também para uma nova terra espiritual. Nós gastamos algum tempo nesse blog olhando as 40 Características da Geração de Josué, e é importante para nós sabermos se somos chamados para fazer parte dessa geração.

Esse é o lugar em que estamos agora. No entanto, sabemos que Deus está nos chamando para seguir em frente. O processo de ser refinado, purificado, e de entrar na fornalha da Presença de Deus é uma preparação para avançar com o Senhor.

Fogo do ourives

Eis que eu envio o meu mensageiro, que preparará o caminho diante de mim; de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vós buscais, o Anjo da Aliança, a quem vós desejais; eis que ele vem, diz o SENHOR dos Exércitos. Mas quem poderá suportar o dia da sua vinda? E quem poderá subsistir quando ele aparecer? Porque ele é como o fogo do ourives e como a potassa dos lavandeiros. Assentar-se-á como derretedor e purificador de prata; purificará os filhos de Levi e os refinará como ouro e como prata; eles trarão ao SENHOR justas ofertas. (Mal 3:1-3).

Deus quer nos preparar para que sejamos a oferta do Senhor. O fogo do ourives é muito quente: o ponto de fundição é em torno de 1064°C (1945°F). Quando o calor é mantido, as impurezas sobem para superfície e podem ser retiradas. Se você estiver passando por isso, saberá exatamente do que estou falando – quando alguma coisa vem para superfície na sua vida você tem uma escolha: você pode permitir que Deus a remova, ou pode esconder tudo novamente. O problema é que até que você permita que o Senhor remova tudo, as coisas continuarão a subir para superfície. E a pior coisa que você pode fazer se você quer cumprir seu destino em Deus, é sair do fogo.

Quando o ouro é realmente puro, a superfície é como um espelho. Ele reflete com perfeição. E Deus nos quer refletindo a Ele, para que outros possam vê-Lo em nós. Mas durante esse processo temos que saber que o Senhor está conosco.

Nossa porta, Sua porta

“Escutem! Eu estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, eu entrarei na sua casa, e nós jantaremos juntos” (Ap 3:20).

Em outras palavras, Ele está oferecendo a nós um relacionamento íntimo com Ele, no qual Ele se revela a nós e nós estaremos perto Dele. Em alguns versículos adiante está escrito:

Depois destas coisas, olhei, e eis não somente uma porta aberta no céu, como também a primeira voz que ouvi, como de trombeta ao falar comigo, dizendo: Sobe para aqui, e te mostrarei o que deve acontecer depois destas coisas. Imediatamente, eu me achei em espírito, e eis armado no céu um trono, e, no trono, alguém sentado (Ap 4:1).

À medida que rendemos nossas vidas ao Senhor, e nos entregamos ao senhorio de Jesus (e nos submetemos ao processo de refino), Ele abre a porta nas dimensões dos céus para nós entrarmos e subirmos. Sei que, algumas pessoas têm sido transladadas fisicamente, mas para a maioria de nós será uma experiência espiritual, e é isso que estivemos vendo nesse blog em posts recentes.

Com a prática podemos aprender a acessar as dimensões do céu, porque o reino dos céus está aqui a nossa frente – ou tão perto de nós quanto se pusermos a mão em frente do nosso rosto. Podemos entrar e sair das dimensões do céu. Quando voltamos de lá, trazemos conosco o que está lá, e manifestamos aqui. É isso que entendemos como Venha o teu Reino. Que a tua vontade seja feita aqui na terra como é feita no céu! (Matt 6:10). O próprio Jesus trouxe o reino, e a vontade de Deus, como é no céu, para terra – e Ele quer que Seus discípulos façam o mesmo. Se for para trazermos os céus para terra, temos que acessar os céus – e a porta está aberta.

Trazendo a imagem do celestial

Como foi o primeiro homem, o terreno, tais são também os demais homens terrenos; e, como é o homem celestial, tais também os celestiais. E, assim como trouxemos a imagem do que é terreno, devemos trazer também a imagem do celestial. (1 Cor 15:48-49).

Da mesma forma que nascemos em um corpo terreno, nós nascemos de novo e por isso nosso espírito está ativo e vivo para Deus. Então agora trazemos a imagem do celestial. Nós precisamos trazer a imagem das coisas que estão acontecendo nos céus, e manifestá-las na terra. Deus está abrindo uma porta para nós entrarmos nas dimensões celestes, para que assim nós possamos ver e refletir o que está acontecendo.

Através da igreja… nos lugares celestiais

…e manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas, para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor (Ef 3:9-11).

Há tantas coisas para o Senhor nos mostrar, que nem somos capazes de imaginar. Ele é infinito e eterno, e Ele está trazendo uma revelação muito maior hoje do que já havia trazido antes. Ele está abrindo as dimensões dos céus para que Seu povo possa ver. Essa multiforme sabedoria de Deus é para se tornar conhecida através da igreja – através de nós – dos principados e potestades nos lugares celestiais

Aquele reino que está em trevas, também está perto de nós. Nós não precisamos fugir dele, temos que manifestar a multiforme sabedoria de Deus aos principados e potestades nos lugares celestiais. Essa sempre foi a vontade Dele:

…segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor (v11).

Era para Adão ter desfrutado do livre acesso as regiões celestiais, mas ele escolheu um caminho diferente. Em Cristo, esse acesso foi restaurado para nós.

Outros artigos de Freedom ARC
Artigo original (em Inglês)
Outros artigos de Freedom ARC (em Inglês)